domingo, julho 02, 2006

França 1 x 0 Brasil


Poucas vezes vi tanta justiça ser feita em uma copa do mundo. Um título brasileiro seria um desserviço ao futebol. Não pode uma seleção jogar com tanto desinteresse e tanta covardia um mundial e ainda acabar campeã.

Em 1982 quando o Brasil perdeu para Itália o futebol mundial pagou uma década ao chegarem a brilhante conclusão que o Brasil tinha perdido porque jogou bonito, e que para ser campeão tinha que jogar no estilo italiano de forte defesa e saída de contra-ataque. Um negócio que até funciona bem contra uma equipe como a brasileira que atacava sem parar, mas quando duas equipes se enfrentavam copiando o jogo italiano de jogar via-se uma chatice sem fim que culminou com a horrorosa copa de 1990.

A década de 90 viu-se uma retomada de um jogo mais ofensivo, como mostrou as copas subseqüentes. Não compartilho da opinião que a seleção de 94 jogou mal. Não foi bem assim, ficou longe de ter brilhante, mas jogou bem e em todos os jogos da copa foram criadas inúmeras situações de gol, mesmo com um meio campo para lá de limitado, com méritos para Parreira.

Só que este mesmo Parreira parece que nunca engoliu o carinho que o torcedor e a imprensa mundial dedica ao time de Telê Santana, sempre apontado como um dos melhores a se apresentar em um mundial e ver seu time nunca ser citado nestas listas. Pagou caro por sua vaidade. Resolveu mostrar para o mundo que para ser campeão deve-se jogar feio.

E se esforçou para isso! Porque fazer um time com os jogadores que foram para a copa jogar feio como jogaram tem que fazer muito esforço!

Agora faço uma distinção. Não se joga bonito ou feio. Joga-se bem ou mal. Existem lances bonitos e existem lances feio, mas no conjunto o jogo de futebol é classificado como bem ou mal.

Em 1982 o Brasil jogou bem contra a Itália, só que os italianos jogaram melhor e qualquer resultado poderia ter acontecido. Num jogo destes a partida é decidida nos detalhes e foi o que aconteceu com a falha de Cerezo e o posicionamento do Júnior no último gol dando condições legais para Paolo Rossi.

Em 1986 a seleção foi ganhando moral e conquistando o torcedor ao longo da copa. No jogo contra a França a sorte nos abandonou completamente. O Brasil dominou 120 minutos, perdeu gols inacreditáveis e foi incompetente nas penalidades. Foi injusto mas acabamos fora da copa.

Em 1990 outra injustiça. O Brasil massacrou a Argentina em sua única boa partida do campeonato. Na única vez que esteve na cara de Tafarel os argentinos não perdoaram a falta de pontaria dos atacantes brasileiros.

Em 1998 foi a teoria das conspirações. O jogo foi comprado, a convulsão do Ronaldo, a preocupação dos outros jogadores, etc. Sei não, depois do que vi ontem começo a achar que a França realmente jogou para ganhar aquela final, jogou com coração.

Enfim chegamos a Frankfurt. Que lástima! Que foi aquilo? Se tem um símbolo para a falta de compreensão do que é uma copa do mundo é o Roberto Carlos ajeitando a meia na cobrança do Zidane. Parece que já se apressou em dizer que o Dida deveria ter saído do gol. Como é de sua feita não assume culpa de nada. Um atestado para a teimosia de Parreira e também de sua covardia, que não quis enfrentar seus medalhões e aceitou o circo em que foi transformado a seleção brasileira.

Já Zidane me deixou sorrindo até agora. Quando vejo a atuação dele ontem me lembro de Zico, Maradona, Rivelino, Gérson e Didi. O último dos maestros. Jogou o tempo todo de cabeça erguida, distribuiu passes e lançamentos com a maior naturalidade do mundo e principalmente, comandou seus companheiros. De todos os que estavam em campo talvez seja o único que pudesse dizer: não tenho nada para provar para ninguém. Pois se recusou a usar esta frase (dita por Ronaldo, Roberto Carlos, Parreira e Cafu) e provou sim, provou que mesmo no fim de carreira, mesmo com TODOS os títulos conquistados um jogador pode se doar e mostrar como se joga futebol. Zidane talvez seja o último dos românticos e com certeza o futebol acabará esta copa mais pobre com sua aposentadoria.

3 comentários:

Alexandra disse...

Brilhante reflexão. Concordo plenamente que não merecíamos ganhar aquela partida ou a copa. Quem sabe não aprendemos uma ou duas lições importantes para a próxima...

Alexandra disse...

Bom comentário sobre o jogo no Blog to Juca:
http://blogdojuca.blog.uol.com.br/

Gostei principalmente da parte sobre of RC:

Roberto Carlos encerrou sua carreira na Seleção ao seu estilo:fazendo lambança com a língua e com os pés.

Ajeitava a meia em vez de estar na segunda trave no momento do gol de Henry (ou será que urinava no gramado?).

E ainda criticou Pelé que havia manifestado seu mau pressentimento em relação ao jogo contra a França.

Exatamente a previsão que Pelé acertou.

Alexandra disse...

Um dos principais jornais de esportes daqui teve uma materia sobre ronaldinho. Parece que o ronaldinho não pode fazer nada errado...

http://www.elmundodeportivo.es/20060702/NOTICIA223542760.html