domingo, julho 09, 2006

Itália 1 x 1 França (5 x 3)


Estou triste.

Se a partida terminasse ao fim do primeiro tempo e fosse direto para os penaltis diria que o título italiano teria sido justo.
Mas não foi assim que a coisa aconteceu e esta copa não poderia ter um final pior.
Primeiro porque na volta do intervalo era nítido que apenas uma equipe estava com vontade de ganhar o jogo: a francesa. A Itália se encolheu em sua defesa só que ao contrário de outros jogos recusou-se a sair em contra-ataque para não correr riscos. Até então eu achava que era uma estratégia, forçar a prorrogação e se aproveitar da média de idade alta dos adversários.
Veio a prorrogação e vi que me enganara. A Itália não mostrou um décimo da vontade que demonstrou contra a Alemanha. Continuou praticando um futebol defensivo que só faltava uma torcida americana gritando "defense, defense"!
Tem gosto para tudo. Eu acho este tipo de futebol simplesmente horroroso e torcerei SEMPRE contra um time que joga dessa maneira. Este entanto foi o primeiro motivo da minha tristeza. O título ficou com a equipe que se recusou a jogar bola. Mesmo quando teve um jogador a mais! Já a equipe que procurou a vitória o tempo todo saiu derrotada.
Parreira e a imensa maioria dos treinadores mundiais, covardes em suas mediocridades, devem estar festejando. Provaram no fim que é o futebol de resultados que ganha uma copa. Que jogar feio é caminho para a derrota.
Escrevi que em 1982 o título da Itália inaugurou a era das trevas do futebol. Parece que agora voltaremos à idade média da bola. Só que esta seleção jogou muito pior que a anterior e prevalesceu esta praga que está acabando com o futebol mundial: o futebol de resultados.
Para coroar esta desgraça Zidane foi expulso (corretamente) depois de perder a cabeça. Era o dono do jogo e da copa até ali. Seria eleito com sobras melhor jogador do torneio. Não sei o que disse o italiano, mas desconfio que foi algo de muito pessoal, e aí vi algo muito estranho. O juiz não viu, o auxiliar não viu (vejam que não levanta a bandeira) mas foi expulso. Quem expulsou Zidane? O quarto árbitro? Quem mais tinha comunicação com o árbitro?
Mais um argumento sob medida para os Parreiras do futebol. Craque não ganha jogo. O que ganha jogo é o tal jogo de equipe, é a tática, é o espírito coletivo. È uma pobreza só. Na grande era dos craques o treinador era um detalhe. Muito mais inteligentes eles foram aos poucos tomando conta do espetáculo e aproveitaram com muito exito a área técnica.
Pois o sr Marcelo Lippi deu um grande exemplo contra o futebol hoje. Poderia ter jogado bola, poderia ter ganho o jogo (tinha time para isso) mas preferiu o caminho mais pobre.
Uma lástima total. A copa em que praticamente todas as seleções jogaram medonhamente com medo de perder foi coroada por uma equipe que jogou na grande final tudo que eu não quero ver no futebol. Uma copa para se esquecer junto com a de 1990.
Agora vem a mediocridade da imprensa esportiva. Tudo de bom para os vencedores e tudo de ruim para os perdedores. E da-lhe reportagem sobre a "raça" da Itália e de seu "espírito" de equipe.
Coitado dos craques. Sua era acabou!

3 comentários:

Alexandra disse...

Ouviu a ultima do Roberto Carlos? Quer ser treinador da seleção brasileira...

Anônimo disse...

Super color scheme, I like it! Good job. Go on.
»

Anônimo disse...

I find some information here.