quarta-feira, julho 05, 2006

Sobre Felipão

Muitos brasileiros torceram por Portugal por causa do Felipão, e atualmente seria o treinador preferido para dirigir a seleção brasileira.
Não estou neste grupo.
Não gosto da pessoa dele, do estilo dele e de suas equipes. Não estou falando de competência, reconheço-a. Mas existe competência para o bem e para o mal, e para mim ele está no segundo grupo.
Não posso gostar de um treinador que já ouvi, não me disseram, realmente ouvi, mandando um jogador do seu time explicitamente quebrar um adversário. Não foi marcar, não foi pegar, não foi chegar junto, foi quebrar mesmo. Com estas palavras.
Hoje no jogo ele provou mais uma vez que não merece minha simpatia. Pressionou o juiz em todas as marcações, provocou o banco francês o tempo todo e no final fez um papelão ofendendo o juiz (que apitou muito bem) e se não for um banana deve colocar na súmula e provocar uma suspensão no técncio português. Os jogadores portugueses tentaram o segundo tempo cavar um penalti e não duvido que foi sua instrução no intervalo, contando que o árbitro fosse compensar o penalti bem marcado que deu para a França.
Não merece nem foto no meu blog!
Já vai tarde Felipão!

2 comentários:

Irina disse...

Hehehe, mas não se pode negar o fato de ser hilária sua tamanha grosseria. Eu me diverto!
Beijos!
Irina.

Alexandra disse...

Oi Jota!
Conhece o poema do hexa?

Viva o Cafu capitão perene
Melhor lateral do Jardim Irene.
Viva Roberto Carlos veloz como o vento
Que arruma as meias durante o cruzamento.

Viva o Kaká, menino bonito
Na hora do jogo, amarela no grito.
Viva Ronaldinho Gaúcho
Tão útil como p**** murcho.

Viva o ativo Parreira
Que não substitui, não treina e só diz besteira.
Viva o Gagallo
Mas arrumem um asilo prá interná-lo.

Lamento por Dida, Juan, Zé Roberto e Robinho
Que até brilharam nesse timinho
Mas o resto eu quero que se dane
Porque quem joga mesmo é o Zidane.

Vamos esperar o Parreira descer do avião
E dizer que pra treinar a seleção
É preciso trabalho, cérebro e dedicação
É também preciso ter coração como o grande Felipão.

Chega de Zagallo, chega de Parreira
Não precisamos destes velhos caretas.
E "Fora babaquice"
Tem treze letras