segunda-feira, setembro 25, 2006

Argumentos

Vivemos uma semana de decisão e hoje escutei o seguinte pensamento de um professor: todos os políticos brasileiros são corruptos e o PSDB sabe roubar melhor que ninguém, são profissionais. Eleger Alckmin seria dar um cheque em branco para esta turma e que o erro de Lula foi não ter construído as fundações para sua máquina de corrupção. Em suma estava pagando por sua ingenuidade.
Não compro esta tese. Vejamos:
1. Lula não é ingênuo, pelo contrário. Pelo pouco que se tem conhecimento não foi distribuindo rosas que subiu na hierarquia dos sindicatos e tomou o poder no partido que ajudou a criar. Aliás o processo que montou dentro do PT parece-me bem semelhante com o que vem fazendo na república. O partido em seus primeiros dias tinha uma estrutura mais democrática do que tem hoje. A partir do momento que o Campo Majoritário assumiu o poder as oposições foram silenciadas e a maioria teve que deixar o partido, mais ou menos como aconteceu recentemente com Heloísa Helena. A última eleição para presidência do partido evidenciou isto com a eleição de Ricardo Berzoini em detreminto da corrente que pregava uma ruptura com a nova "linha" do partido.
2. As acusações contra o governo FHC são genéricas e persistem até hoje sem que tenha ocorrido evidências efetivas. A campanha do PT em 2002 não acusou o gorverno de corrupção, mas sim de ter se aliado aos banqueiros em detrimento ao seu papel social. E foi com esta bandeira que Lula foi eleito. O governo anterior foi acusado de abafar CPIs, mas este papel qualquer governo faz, ainda mais com objetivos indefinidos baseados em acusações torpedeadas pela imprensa. De qualquer forma o PT ao assumir o governo tinha base parlamentar para instalar qualquer CPI que desejasse. Não o fez e foi difundido pelos "entendidos" que o motivo seria uma espécie de "anistia" com o governo anterior. Mentira. Não instalou porque sabia que no fim teria que concluir que não havia indícios de corrupção e acabaria de atestar uma indoneidade que não interessava.
3. As acusações ao atual governo são fortes, possuem indícios, provas, confissões e só não tem a condenação porque o processo é longo. Eleger este governo é que seria um cheque em branco. Depois de tudo que se viu, eleger o presidente em primeiro turno é dar a ele o salvo conduto para fazer tudo de novo. Não haverá mais limites, pois dificilmente se consiguirá indícios e provas mais contundentes do que foi levantado nestes quatro anos. Por outro lado, eleger Alckmin significará que o eleitor não está disposto a perdorar a corrupção. Não tenho dúvida que se o novo governo praticar crimes como os que se viram nestes 4 anos não chegará de pé em 2010. Alckmin estará com a vigilância serrada da imprensa e do povo brasileiro, pois não será um mito como o atual presidente, será cobrado por todo o discurso ético que fez em campanha.
4. Por fim aceitarmos que todos os políticos são corruptos só estaremos fazendo um favor aos políticos corruptos. É só o que eles precisam para continuar se elegendo. Está na hora de dar uma basta à esta situação. Estou com Alckmin nesta eleição, mas não sou cego. Se pisar na bola serei o primeiro a pedir sua cabeça em 2010 ou mesmo antes, se cometer crimes de responsabilidade como Lula cometeu. Não estou votando no PSDB. Estou votando contra a corrupção.
E assim devemos votar sempre.

Um comentário:

Alexandra disse...

O PT não nega sua base sindical. Os métodos empregados no mundo dos sindicatos são um nível acima da corrupção politica - é baseado em intimidação, violência, crime, etc. É o mais similar que temos a uma máfia. Isso não é exclusivo no PT ou nos sindicatos brasileiros; existe no mundo todo (já viu o filme canadense "Invasões Bárbaras"?). O problema agora, como vc tem dizendo, é que esses métodos sindicais estão sendo empregados no aparelho do estado. Um absurdo que só pode acabar mal.