terça-feira, setembro 19, 2006

Até Quando?

Não tem jeito de fugir deste tema no dia de hoje. A coisa está ficando mais preta a cada minuto. Ricardo Berzoini está envolvido até o pescoço na lambança do "dossiêgate". A nota distribuída à pouco é de estarrecer. Diz que sabia do encontro de Lorenzetti com a revista Época mas não sabia o conteúdo. Apenas tinha sido informado que este iria "tratar de uma pauta de interesse jornalístico". Claro que não tinha como saber que era para vender uma entrevista e um dossiê falso, nem passou por sua cabeça perguntar o que seria esta tal de pauta de interesse jornalístico nas vésperas das eleições.
Lorenzetti já está assumindo a culpa no melhor estilo Delúbio Soares e Tarso Genro está cada vez mais sem saber o que fazer para defender o partido. Deu entrevista apontando que não acreditava no envolvimento do partido como instituição nesta confusão. Logo depois de sua entrevista simplesmente o presidente do PT admite que sabia da reunião com a revista. Está cada dia mais difícil explicar o que não se explica.
Agora surge a notícia que o TSE aceitou a representação do PSDB-PFL e vai investigar a participação de Lula, Márcio Thomaz Bastos e Berzoini na estória.
Só um vidente teria condições de adivinhar o que vai acontecer daqui para frente. Impossível prever.
Em termos de votos é mais impossível ainda uma previsão. A mídia está naquela campanha de tentar parecer "imparcial". O problema é que quando você tem um criminoso na jogada isto fica muito mal, e o que é claro aqui. Nem o PT tem mais como negar o envolvimento neste crime mas os jornais se recusam a fazer a manchete (PT foi o responsável pela armação para atingir o PSDB).
Pelo menos o episódio está servindo para desmascarar os "isentos". Quem tinha dúvida sobre Tereza Cruvinel é só ler seu blog. Faz ainda uma última tentativa de envolver os "tucanos paulistas" nesta vergonha. Sobrou até para Aécio Neves. Afinal foi quem mais repetiu ano passado "se for provado", "suposto mensalão" e etc. Noblat tenta desesperadamente remediar o papel vergonhoso que fez antes da prisão de sexta passada quando apresentava o "furo" da Isto É. Fernando Rodrigues faz de tudo para deixar claro a idéia que o povão não entende o que está acontecendo e insiste na investigação de Serra.
Tenho a impressão que as instituições democráticas brasileiras passarão pelo maior teste da "redemocratização" à partir de agora. Se o TSE apurar que existe sim culpa da cúpula da campanha de Lula no crime, terá coragem de casar-lhe o registro apesar de sua popularidade? E se cassar como ficaremos, a lei será cumprida? E se tiver sido re-eleito e empossado, perderá o mandato?
Nesta toada o Brasil tem tudo para rachar de vez ano que vém. Justiça de um lado e o presidente com o povão conduzido pelos "movimentos sociais" de outro. Tirar do cargo um presidente corrupto impopular foi fácil, agora o caso é bem diferente.
Só que as instituições não podem ficar a mercê da popularidade de um presidente. Ou pode? Popularidade e votos absolvem um crime?
Se olharmos no passado foi assim que começaram as ditaduras. Quando o povo deixou de acreditar em suas instituições e em sua lei pela palavra de um líder popular.
Talvez seja a última chance do Brasil se encontrar depois de ter errado em todas as encruzinhadas que separam as grandes das pequenas nações. As instituições estão em perigo. Estão caindo os véus...
E estamos impassíveis!

Nenhum comentário: