sexta-feira, setembro 29, 2006

Debate da Globo

Terminou o último debate da campanha antes do primeiro turno. Na teoria a campanha termina aqui, pois dificilmente os candidatos terão exposição parecida até o dia primeiro. Não sou analista político para ficar aqui avaliando desempenho de canditato. Deixo isto para os "experts". O fundamental é que os canditatos fizeram o que esperavam deles: bateram em Lula e tentaram colocar nele a marca da corrupção.
Agora é com o eleitor.
Independente do resultado acho que nunca o Brasil precisou tanto de um segundo turno. Lula precisa ser confrontado diretamente. É preciso que se destrua o mito. Um país do peso do Brasil não pode ter um presidente acima do bem e do mal, inatingível, uma espécie de Padre Cícero da política.
É preciso contradição e que o presidente explique para nós eleitores que realmente não tinha como saber de tanto caso de corrupção, da "traição" dos seus companheiros e que agiu com responsabilidade nos casos que vieram à público.
Não tem como fazer isto. Conversando com várias pessoas nestes dias escutei mais ou menos a mesma coisa: Lula ganha a eleição em 1º de outubro. E se tiver segundo turno? Aí vai dar Alckmin.
Depende agora do povo brasileiro.
Espere que enxergue o presidente como ser humano para poder fazer juízo de valor. Não é a toa que se comparou a Jesus Cristo. Jesus é inatingível, e é esta a imagem que deseja passar.
Falta uma criança para gritar:
O rei está nú!

Nenhum comentário: