terça-feira, novembro 07, 2006

Mito da Caverna

A métafora narrada por Sócrates, no livro VII de A República de Platão, é uma das mais imaginativas e poderosas da filosofia ocidental. Trata da própria condição humana e do papel da filosofia.
Sócrates apresenta um quadro em que homens vivem acorrentados dentro de uma caverna. As correntes os impedem de qualquer movimento, inclusive de olhar para o lado. Um fogueira a suas costas promove uma tênue iluminação do ambiente. Dentro das cavernas existem estátuas e objetos, que os homens só conseguem ver por suas sombras.
Á frente deles uma escada, que conduz a um ponto luminoso: a saída da caverna.
Um dos homens consegue se libertar das correntes, e podendo girar a cabeça consegue ver as estátuas e objetos que antes só percebia as sombras. E consegue ver os próprios companheiros. Vê então a luz no alto da escada e dirige-se para ela.
Ao sair da caverna fica momentaneamente perturbado com a luz que cega seus olhos. Ao acostumar-se consegue ver o sol, e não mais seu reflexo.
Compadecido de seus companheiros vota à caverna para narrar o que viu. Eles não o compreendem e riem dele. Ele próprio sente-se angustiado naquele ambiente escuro e luta contra a vontade de deixá-los e voltar para fora da caverna.

Pois esta caverna representa o nosso mundo, no qual reina a opinião e as correntes representam nossas paixões a a ignorância, que nos impede de ver à realidade. Por causa delas vemos apenas as sombras, que representam o mundo sensível, que confundem com a realidade.
O homem que se libertou é o filósofo. Que livre de suas paixões e da ignorância consegue ver o mundo real. Consegue ver a verdade. Ao sair da caverna vê o mundo superior, o mundo do conhecimento.
O homem comum não o compreende, pois ainda está preso às correntes e o filósofo tem que resistir à vontade de se apartar deste mundo, pois na verdade depois do que viu não se sente mais a vontade no mundo das sombras, no mundo em que vivemos.

3 comentários:

Anônimo disse...

eu queria saber o nome
do filósofo

Juliana disse...

Não é o filósofo e sim todos os filósofos!

Juliana 15 anos

toim disse...

Quem esta dentro não ver o que tem fora por isso não acredita. Um exemplo: os seguidores de uma corrente religiosa so acredita no que esta escrito em su biblia porque foram condicionados, e dificilmente botarão a cabeça fora da caverna.