sábado, janeiro 27, 2007

Os 7 mandamentos do animalismo

Na Revolução dos Bichos estes eram os 7 mandamentos originais:
  1. qualquer coisa que ande sobre duas pernas é inimigo
  2. qualquer coisa que ande sobre quatro pernas, ou tenha asas, é amigo
  3. nenhum animal usará roupas
  4. nenhum animal dormirá em cama
  5. nenhum animal beberá álcool
  6. nenhum animal matará outro animal
  7. todos os animais são iguais
Com o tempo eles foram se modificando:

4. nenhum animal dormirá em cama com lençol
5. nenhum animal beberá álcool em excesso
6. nenhum animal matará outro animal sem justo motivo

No fim restou apenas um:

Todos os animais são iguais, mas uns são mais iguais que os outros.

Aí está, para mim, a principal crítica da obra de Orwell. É impossível uma sociedade sem classes. Basta olhar pela natureza, qualquer associação de animais existem aqueles que dirigem e que executam. Foi o que aconteceu nas experiências socialistas: sempre existiu uma classe dirigente e uma trabalhadora. Nunca demorou muito para que a primeira classe incorporasse direitos especiais, sempre com uma justificativa.

Não é coisa feita de uma hora para outra. Cada pequena mudança é incorporada de forma que não se chame muita atenção, que não justifique uma reação. Quando os trabalhadores acordaram, estavam oprimidos em um sistema em que teoricamente seriam iguais. Nunca foram. Aceitaram todas as mudanças democráticas e em favor da liberdade. No final, descobriram-se em um regime totalitário, onde qualquer manifestação é violentamente reprimida. Foi assim com o nazismo e com o comunismo. E sempre em nome da liberdade.

Por isso que sempre que Lula II fala em ampliar a democracia fico preocupado. Principalmente quando fala em aumentar a consulta popular, ou democratizar os meios de comunicações. O exemplo está aí: Chavez está tornando-se um ditador utilizando os instrumentos da democracia. Como fez Hitler antes dele. Não existe espaço no Brasil para uma revolução, nunca houve. Mas existe espaço para uma maior participação popular, esta sim podendo nos conduzir ao buraco.

O que se pode esperar de uma população em sua maioria alienada de tudo que acontece no país? Somos um país que não lê, não compreende textos e que resume seu acompanhamento da atualidade a papo de esquina. Assistimos este filme em todas as eleições. Políticos notadamente corruptos são eleitos sem cerimônia, como se seus crimes fossem contos de ficção.

Enquanto nossos eleitores continuarem marchando para as urnas sob a tutela do Estado, como autômatos sem o direito de se abster de votar não vejo caminho de melhora. O voto é um direito, e não um dever.

3 comentários:

Alexandra disse...

No Canadá eu aprendi que para um país ser rico e estável, ele tem que ter a maioria da população na classe média - não podem ser nem ricos nem pobres. Os pobres trazem instabilidade, aumentam o crime, etc e os ricos não contribuem muito pois mandam seus filhos estudarem no exterior e evadem suas divisas para paraísos fiscais; fazem de tudo para não ter que pagar impostos.

A classe média é quem paga imposto, usa os serviços de educação e saúde (e portanto influe no seu funcionamento), vota nas eleições e tal.

Quanto a igualdade, uma das coisas que eu gosto no Canada é que as pessoas são mais igualitárias (egalitária?). Eles têm aversão a um sistema de classes muito rígido e as pessoas se classes mais altas sentem um grau de igualdade entre elas e as pessoas de classes inferiores. Por isso, tanto pessoal como institucionalmente, os candenses não gostam de dar preferência a ninguém. É o único país que eu conheço onde não existe fila especial para seus cidadãos na alfândega do aeroporto. No Brasil tem fila pra brasileiro, nos EUA tem fila especial para americano, na Europa para europeu. No Canada tem uma fila só e os canadenses são submetidos às mesmas perguntas que as outras pessoas. Hehehe, o Alan fica p....

Marcos Guerson Jr disse...

Você tocou em um ponto muito importante. A mobilidade entre as classes. O grande problema é quando as classes se tornam castas e impedem a movimentação social.
No Brasil, a classe média está diminuindo gradativamente. Estudos mostram que o fortalecimento e ampliação desta classe é fundamental para o desenvolvimento do país.
Hoje estamos cada vez mais massacrados pelos impostos, que já atingem metade da renda com o agravante que a classe média, que paga, praticamente não usa nenhum dos serviços do Estado.

Alexandra disse...

Pois é, a mobilidade social é essencial. No Canadá todos têm a oportunidade e melhorarem sua condição de vida. Basta querer e ir atrás. Por exemplo, todos têm acesso a escola pública de qualidade até a conclusão do segundo grau. A universidade é meio privada/ meio publica; ou seja tem que pagar anualidade mas como é subvencionada pelo governo, essa anualidade é bem mais barata do que nos EUA (no canada, a universidade mas cara custa uns 5-6 mil dolares canadenses ao ano, enquanto que uma mais ou menos nos EUA não sai por menos de 30 mil). Pois bem, vc é pobre e não tem como pagar nem os 5-6 mil? Tanto a universidade quanto o governo dão bolsas para que os alunos carentes possam custear seus estudos e moradia. Não conseguiu uma bolsa por algum motivo? Existem emprestimos a baixo custo coordenados pelo governo onde o estudante só começa a pagar a divida depois de 1 ano de formado e mesmo assim, só uma percentagem do salario.

Ou seja, só não estuda quem não quer. E no trabalho ninguem quer saber se vc é preto, branco ou cor de rosa; de quem é filho ou de onde veio... O negócio é saber se vc tem experiencia ou competencia...

Uma coisa que eu gosto - eu nunca preenchi nenhum documento no Canada que me perguntava nome de pai, mãe ou marido, ou se eu era casada ou solteira. Lá eu sou eu mesma e não a filha ou mulher de alguem.