quarta-feira, fevereiro 14, 2007

Pocilga é pouco

Lembram do The Economist chamando a Câmara de Deputados de pocilga? Pois foi constituída hoje a principal comissão da casa, a Comissão de Constituição e Justiça. Vejam alguns membros:

  • Leonardo Picciani (PMDB-RJ): quem não é do Rio não sabe quem é esta figura. É filho do atual presidente da Assembléia Legislativa do Estado e cria do Garotinho. Entre outras aventuras os Piccianis são sócios em empresas rurais que tiveram uma evolução patrimonial de mais de 1000%. Sabem o que é 1000%? Eu nunca tinha visto este número antes. Ah, já foram de cara multados em R$ 1,5 milhões. Se nunca vi 1000% imagine 1,5 milhões
  • Paulo Maluf (PP-SP): precisa de ficha?
  • José Mentor (PT-SP): aquele da CPI do Banestado e do Valerioduto, não necessariamente nesta ordem
  • José Paulo Cunha(PT-SP): aquele cuja mulher foi pagar uma conta de tv a cabo de milhares de reais (vai comprar pay per view assim na China), contratou uma certa firma de publicidade para fazer campanha para presidência da pocil... quer dizer da Câmara e membro, junto com o anterior, da gangue dos 40.
E o porco mor ainda quer processar o jornal inglês...

2 comentários:

Alexandra disse...

pois é, acostumada nesse sistema, vc não imagina a minha surpresa quando um parlamentar no Canada renuncia o posto só pq alguém insinuou que talvez, que sabe, ele tenha sido visto com fulano de tal que talvez estivesse envolvido num caso de corrupção. Renuncia mais rápido ainda se for ministro. E não renuncia para escapar punição não, pois continua podendo ser julgado, Renuncia para não manchar o governo. Detalhe, se é confirmado que estava envolvido em algo, ou se não é definitivamente inocentado, a carreira politica acaba ali mesmo.

Não é que não exista corrupção no Canada. As pessoas lá tem o mesmo baixo conceito dos politicos como no Brasil. O que existe no Canada é a intolerância a corrupção. Ninguem perdoa. E não esquecem...

Marcos Guerson Jr disse...

Infelizmente este não é o quadro por aqui. Vários deputados com acusações graves, culpa flagrante e processos na justiça foram re-eleitos. Mas não dá nem para culpar o eleitor. A maioria dele foi eleita pelo chamado voto da legenda. Aliás cerca de 80% dos deputados são eleitos desta forma. O tal voto proporcional é uma das maiores distorções de nosso sistema político e atenta seriamente contra a democracia.