sábado, março 31, 2007

Sem fato determinado...

Pior solução Possível

O governo mostrou mais uma vez toda sua incompetência ao lidar com o caos de ontem. Além de aceitar passivamente que um grupo de sargentos paralisassem o país, desautorizou o Comandante da Aeronáutica e cedeu a todas as exigências da rebelião. Mais uma vez afirmo, não existe greve no meio militar, existe rebelião.

O que aconteceu ontem foi crime militar, tipificado do respectivo código. Pode ter resolvido a situação de ontem, mas as conseqüências maiores ainda hão de vir. O presidente conseguiu levar a sindicalização para dentro das forças armadas e nada de bom pode vir daí.

Não se enganem com a desmilitarização. É bom só para o atual governo. Por que? Porque passando para controle civil poderá se sindicalizar oficialmente e entrar no guarda-chuvas da CUT. Enquanto o PT estiver no governo tudo bem, mas saindo a CUT volta a seu estado padrão: infernizar o governo. E já aprendeu que terá uma excelente arma nas mãos.

Mais uma vez afirmo, as Forças Armadas são as guardiãs do que existe de mais letal em uma nação. Uma greve da Polícia pode ser enfrentada por elas, como já foi. E uma greve do Exército? Quem enfrenta? A ONU?

Há cerca de vinte anos atrás o Brasil assistiu estarrecido um simples Capitão, que eu conheci, tomar a prefeitura de Apucarana com uma tropa de blindados. Já vivíamos o governo Sarney. O que aconteceria num movimento mais amplo?

A solução de ontem teria de começar necessariamente pela prisão dos líderes do movimento. No mínimo. E isso não é decisão de governo, está no código penal militar e deve ser cumprida. A partir do momento que se permite que militares façam rebeliões a situação fica fora de controle. Questão de tempo. Mais um presente do Lulismo-petismo ao país.

sexta-feira, março 30, 2007

Tudo resolvido

Lula, dentro do avião que segue para os EUA, foi avisado do agravamento da crise. Foi duro. Quer uma solução. Pronto, nada mais a preocupar. Fico imaginando quanto tempo vai levar para colocar a culpa no FHC. Um lembrete. Existe um relatório da Aeronautica de 2004 alertando para os problemas do setor. Foi ignorado, como quase tudo no desgoverno que temos.

Não há mais apagão aéreo. Agora é crise.

Não há crise aérea...

Depois de passar meses dizendo que não existia crise no setor aéreo e se render aos fatos esta semana, o presidente tomou uma atitude firme. Exigiu uma data para normalização dos aeroportos. Foi enfático, queria não só a data, mas também a hora.

Pois está aí o resultado. Todos os aeroportos do país estão fechados pelo motim dos controladores. Atenção, estão dizendo greve mas militar não faz greve, faz motim. E por isso já receberam a voz de prisão do Comandante da Aeronáutica em pessoa. Não tinha outra escolha. Uma vez alguém definiu os militares como os guardiões do que existe de mais letal em um país. Deixá-los se amotinar pode levar à conseqüências incontroláveis. Imagine uma unidade de blindados amotinada apontando suas armas para o palácio do planalto. Quem resolveria a questão.

Quando meses atrás o Ministro da Defesa reuniu-se com os sargentos , sem a presença do Comandante da Aeronáutica tratando-os como grevistas do ABC já estava semeada a confusão futura. E está aí. O movimento foi deflagrado pela transferência de um Sargento (o líder da "categoria") de Brasília para Santa Maria.

As reivindicações podem até serem justas, mas desde o início as atitudes dos controladores está se mostrando por demais oportunistas. A primeira paralisação quando o inquérito do acidente da Gol apontou para seus pares, e agora por causa da transferência de seu líder.

Depois de mais de 6 meses o governo resolve fazer o que deveria ter feito desde o início. Constituir um gabinete da crise e reconhecê-la como tal.

Como ficam agora os 308 bravos deputados que acham que não há fato determinado para instalar uma CPI no setor? A lista está aí no blog para quem quiser ver. Os petistas e mensaleiros já não causam surpresas, mas chamou a atenção o nome de gente com Serraglio, Izar e Miro Teixeira. Um arranhão e tanto na imagem destes parlamentares.

Lula já orientou o Comando da Aeronáutica a negociar. É perigoso tratar militares como grevistas comuns. Abre um precedente perigosíssimo. Mas também a solução não é fácil pois os controladores sabem que tem o país nas mãos. E isto é o mais grave de tudo.

Fluminense 2 x 1 Flamengo

O empate já tirava os dois de qualquer chance na Taça Rio, mas um gol no último minuto ainda deu sobrevida ao tricolor. O Flamengo precisa urgentemente colocar o pé na forma, mais uma vez foram inúmeros gols perdidos. De posistivo apenas o gol de Souza, desta vez com os pés para quebrar logo esta sina. Agora o Roni sair chingando o técnico ao ser substituído foi o fim da picada. Ainda se estivesse jogando alguma coisa mas tem sido um jogador constante. Constante na briga com a bola e improdutividade. Ney Franco foi é muito generoso com o atacante.
Agora está definido. Prioridade absoluta para a Libertadores, embora duas derrotas seguidas para os maiores rivais seja difícil de digerir.
Outro destaque, negativo, foi o Maracanã vazio. O que comprova que nem as torcidas acreditavam mais nas chances dos dois times.

quinta-feira, março 29, 2007

Novos Métodos

Petição pela CPI do Apagão Aéreo

Já esta na net a petição online pela CPI, com finalidade de dar respaldo popular à sua instalação. Aqui vai o link, assine!

apagao aereo

Lista do Apagão

Que fique o registro dos 308 deputados que sepultaram na Câmara a CPI do Apagão, que entre outras dispunha-se a investigar as causas do acidente da GOL e do caos nos aeroportos. Aquela que o governo só aceitava se não investigassem a INFRAERO. O PT liderou a turma com 71 deputados, seguido de perto pelo PMDB com 65. Em negrito os "destaques".

Total por partidos:

PT - 71, PMDB - 65, PP - 34, PR - 33, PSB - 22, PDT - 21, PTB - 16, PC do B - 13, PAN -4, PSC - 6, PMN - 5, DEM - 4, PPS - 2, PSDB -1, PV - 1, PTC - 1, PHS - 1, PRB - 1, Sem partido 2

PT
Adão Pretto (RS)
Andre Vargas (PR)
Angela Portela (RR)
Angelo Vanhoni (PR)
Anselmo de Jesus (RO)
Antônio Carlos Biffi (MS)
Antonio José Medeiros (PI)
Antonio Palocci (SP)
Assis do Couto (PR)
Beto Faro (PA)
Carlos Abicalil (MT)
Carlos Santana (RJ)
Carlos Wilson (PE)
Carlos Zarattini (SP)
Chico DAngelo (RJ)
Cida Diogo (RJ)
Dalva Figueiredo (AP)
Décio Lima (SC)
Devanir Ribeiro (SP)
Domingos Dutra (MA)
Dr. Rosinha (PR)
Edson Santos (RJ)
Eduardo Valverde (RO)
Elismar Prado (MG)
Eudes Xavier (CE)
Fátima Bezerra (RN)
Fernando Ferro (PE)
Fernando Melo (AC)
Gilmar Machado (MG)
Guilherme Menezes (BA)
Henrique Afonso (AC)
Henrique Fontana (RS)
Iran Barbosa (SE)
Iriny Lopes (ES)
Janete Rocha Pietá (SP)
Jilmar Tatto (SP)
João Paulo Cunha (SP)
Jorge Bittar (RJ)
José Airton Cirilo (CE)
José Genoíno (SP)
José Guimarães (CE)
José Mentor (SP)
José Pimentel (CE)
Joseph Bandeira (BA)
Leonardo Monteiro (MG)
Luiz Bassuma (BA)
Luiz Couto (PB)
Luiz Sérgio (RJ)
Magela (DF)
Marco Maia (RS)
Maria do Carmo Lara (MG)
Maria do Rosário (RS)
Maurício Rands (PE)
Miguel Corrêa Jr. (MG)
Nazareno Fonteles (PI)
Nelson Pellegrino (BA)
Nilson Mourão (AC)
Odair Cunha (MG)
Paulo Pimenta (RS)
Paulo Rocha (PA)
Paulo Rubem Santiago (PE)
Paulo Teixeira (SP)
Pedro Eugênio (PE)
Pedro Wilson (GO)
Pepe Vargas (RS)
Praciano (AM)
Reginaldo Lopes (MG)
Ricardo Berzoini (SP)
Rubens Otoni (GO)
Sérgio Barradas Carneiro (BA)
Tarcísio Zimmermann (RS)
Vaccarezza (SP)
Vander Loubet (MS)
Vicentinho (SP)
Vignatti (SC)
Virgílio Guimarães (MG)
Zezéu Ribeiro (BA)

PMDB
Acélio Casagrande (SC)
Alberto Silva (PI)
Alexandre Santos (RJ)
Aníbal Gomes (CE)
Antônio Andrade (MG)
Antonio Bulhões (SP)
Asdrubal Bentes (PA)
Bel Mesquita (PA)
Bernardo Ariston (RJ)
Carlos Alberto Canuto (AL)
Carlos Bezerra (MT)
Carlos Eduardo Cadoca (PE)
Celso Maldaner (SC)
Colbert Martins (BA)
Darcísio Perondi (RS)
Edinho Bez (SC)
Edio Lopes (RR)
Edson Ezequiel (RJ)
Eduardo Cunha (RJ)
Elcione Barbalho (PA)
Eliseu Padilha (RS)
Eunício Oliveira (CE)
Fátima Pelaes (AP)
Fernando Diniz (MG)
Flaviano Melo (AC)
Flávio Bezerra (CE)
Francisco Rossi (SP)
Geraldo Pudim (RJ)
Hermes Parcianello (PR)
Íris de Araújo (GO)
João Magalhães (MG)
João Matos (SC)
Joaquim Beltrão (AL)
Jurandil Juarez (AP)
Laerte Bessa (DF)
Leandro Vilela (GO)
Lelo Coimbra (ES)
Leonardo Quintão (MG)
Luiz Bittencourt (GO)
Marcelo Castro (PI)
Marcelo Guimarães Filho (BA)
Marcelo Itagiba (RJ) - Abstenção
Maria Lúcia Cardoso (MG)
Marinha Raupp (RO)
Moacir Micheletto (PR)
Nelson Bornier (RJ)
Olavo Calheiros (AL)
Osmar Serraglio (PR)
Osvaldo Reis (TO)
Paulo Henrique Lustosa (CE)
Paulo Piau (MG)
Pedro Chaves (GO)
Pedro Novais (MA)
Professor Setimo (MA)
Reinhold Stephanes (PR)
Rocha Loures (PR)
Saraiva Felipe (MG)
Solange Almeida (RJ)
Tadeu Filippelli (DF)
Valdir Colatto (SC)
Vital do Rêgo Filho (PB)
Waldemir Moka (MS)
Wilson Santiago (PB)
Zé Gerardo (CE)
Zequinha Marinho (PA)

PP
Afonso Hamm (RS)
Aline Corrêa (SP)
Antonio Cruz (MS)
Benedito de Lira (AL)
Carlos Souza (AM)
Ciro Nogueira (PI)
Eduardo da Fonte (PE)
Eliene Lima (MT)
Eugênio Rabelo (CE)
George Hilton (MG)
Gerson Peres (PA)
João Leão (BA)
João Pizzolatti (SC)
José Linhares (CE)
José Otávio Germano (RS)
Lázaro Botelho (TO)
Luiz Fernando Faria (MG)
Márcio Reinaldo Moreira (MG)
Mário Negromonte (BA)
Nélio Dias (RN)
Nelson Meurer (PR)
Neudo Campos (RR)
Pedro Henry (MT)
Rebecca Garcia (AM)
Renato Molling (RS)
Ricardo Barros (PR)
Roberto Balestra (GO)
Roberto Britto (BA)
Sandes Júnior (GO)
ão Ses (RJ)
Vadão Gomes (SP)
Vilson Covatti (RS)
Waldir Maranhão (MA)
Zonta (SC)

PR
Aelton Freitas (MG)
Chico da Princesa (PR)
Dr. Adilson Soares (RJ)
Giacobo (PR)
Gorete Pereira (CE)
Homero Pereira (MT)
Inocêncio Oliveira (PE)
João Carlos Bacelar (BA)
João Maia (RN)
Jofran Frejat (DF)
José Carlos Araújo (BA)
José Rocha (BA)
Léo Alcântara (CE)
Lincoln Portela (MG)
Lindomar Garçon (RO)
Lucenira Pimentel (AP)
Luciano Castro (RR)
Lúcio Vale (PA)
Marcelo Teixeira (CE)
Maurício Quintella Lessa (AL)
Maurício Trindade (BA)
Milton Monti (SP)
Neilton Mulim (RJ)
Nelson Goetten (SC)
Sandro Mabel (GO)
Sandro Matos (RJ)
Tonha Magalhães (BA)
Valdemar Costa Neto (SP)
Vicente Arruda (CE)
Vicentinho Alves (TO)
Wellington Fagundes (MT)
Wellington Roberto (PB)

PSB
Ana Arraes (PE)
Ariosto Holanda (CE)
Átila Lira (PI)
Beto Albuquerque (RS)
Djalma Berger (SC)
Dr. Ubiali (SP)
Eduardo Lopes (RJ)
Fernando Coelho Filho (PE)
Givaldo Carimbão (AL)
Janete Capiberibe (AP)
Laurez Moreira (TO)
Lídice da Mata (BA)
Manoel Junior (PB)
Marcelo Serafim (AM)
Márcio França (SP)
Marcondes Gadelha (PB)
Maria Helena (RR)
Mauro Nazif (RO)
Ribamar Alves (MA)
Rodrigo Rollemberg (DF)
Valadares Filho (SE)
Valtenir Luiz Pereira (MT)

PDT
Arnaldo Vianna (RJ)
Barbosa Neto (PR)
Brizola Neto (RJ)
Dagoberto (MS)
Davi Alves Silva Júnior (MA)
Dr. Basegio (RS)
Giovanni Queiroz (PA)
João Dado (SP)
Julião Amin (MA)
Manato (ES)
Marcos Medrado (BA)
Miro Teixeira (RJ)
Paulinho da Força (SP)
Pompeo de Mattos (RS)
Reinaldo Nogueira (SP)
Sebastião Bala Rocha (AP)
Sérgio Brito (BA)
Severiano Alves (BA)
Sueli Vidigal (ES)
Vieira da Cunha (RS)
Wolney Queiroz (PE)

PTB
Armando Abílio (PB)
Armando Monteiro (PE)
Arnon Bezerra (CE)
Augusto Farias (AL)
Ernandes Amorim (RO)
Frank Aguiar (SP)
Jackson Barreto (SE)
José Múcio Monteiro (PE)
Jovair Arantes (GO)
Luiz Carlos Busato (RS)
Paes Landim (PI)
Paulo Roberto (RS)
Pedro Fernandes (MA)
Ricardo Izar (SP)
Sabino Castelo Branco (AM)
Sérgio Moraes (RS)

PC do B
Aldo Rebelo (SP)
Alice Portugal (BA)
Chico Lopes (CE)
Daniel Almeida (BA)
Edmilson Valentim (RJ)
Evandro Milhomen (AP)
Flávio Dino (MA)
Jô Moraes (MG)
Manuela D'Ávila (RS)
Osmar Júnior (PI)
Perpétua Almeida (AC)
Renildo Calheiros (PE)
Vanessa Grazziotin (AM)

PAN
Cleber Verde (MA)
Jurandy Loureiro (ES)
Silas Câmara (AM)
Takayama (PR)

PSC
Deley (RJ)
Eduardo Amorim (SE)
Filipe Pereira (RJ)
Hugo Leal (RJ)
Mário de Oliveira (MG)
Ratinho Junior (PR)

PMN
Fábio Faria (RN)
Francisco Tenorio (AL)
Sergio Petecão (AC)
Silvio Costa (PE)
Uldurico Pinto (BA)

DEM (PFL)
Cristiano Matheus (AL)
João Bittar (MG)
Lael Varella (MG)
Roberto Magalhães (PE)

PPS
Airton Roveda (PR)
Alexandre Silveira (MG)

PSDB
Silvio Lopes (RJ)

PV
Fábio Ramalho (MG)

PTC
Carlos Willian (MG)

PHS
Felipe Bornier (RJ)

PRB
Léo Vivas (RJ)

Sem partido
Damião Feliciano (PB)
Juvenil Alves (MG)

Jogos de quarta

No Rio o Vasco ficou no empate sem gols contra o Americano, mas não tem muito o que lamentar. Os outros resultados foram extramamente favoráveis com as derrotas do América e do Volta Redonda. Haja desastre para tirá-lo da fase final da Taça Rio. O Botafogo venceu, como também o Madureira. Resultados muito ruins para o Flamengo. Ney Franco, por sinal, sacrificou Juninho como era esperado. Engraçado. O esquema dá certo em dois jogos importantes e na primeira derrota, diga-se de passagem para um arqui-rival extremamente motivado, é abandonado. Acho que o treinador deveria insistir mais, até porque a Taça Rio já está praticamente perdida. Serviria, pelo menos, para dar mais jogo ao time.

Em Porto Alegre o Inter ficou no empate sem gols diante do Velez, o que complica mais ainda sua situação. Destaque para expulsão de Christian ainda aos 26 minutos do primeiro tempo. O que leva um jogador a se jogar acintosamente na área depois de já ter recebido um cartão amarelo?

Mas o jogo de ontem foi na Vila Belmiro, com presença do rei. O Santos começou bem melhor e não teve dificuldades em abrir o placar com um bonito gol de Zé Roberto. O Corinthians na base da raça equilibrou o jogo e empatou. Aí Amoroso comete uma falta criminosa e é muito bem expulso. Mesmo assim o jogo segui com equilíbrio até que, já no segundo tempo, mais um corinthiano é expulso. O timão se encolheu para tentar segurar o empate mas não deu, Jonas fez o gol da vitória. De rachar o bico é o Neto comentando o jogo. É muita tosqueira junta!

quarta-feira, março 28, 2007

Programa nuclear iraniano

Em 2003, A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) comunicou que o Irã ocultara um programa de enriquecimento de urânio por 18 anos. A questão é que este país integra o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP), que impede o desenvolvimento de armas nucleares por aqueles que ainda não possuem a tecnologia. O Tratado prevê o enriquecimento para fins pacíficos (produção de energia), mas deve ser realizado com acompanhamento e fiscalização da AIEA, à semelhança do que acontece com o Brasil.

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, afirma que o propósito do programa nuclear de seu país é diversificar as fontes de energia. Como o país é rico em gás e petróleo e, recusou recentemente ofertas de urânio já enriquecido, aumentam as suspeitas que esteja visando o desenvolvimento de armas nucleares.

No fim de 2006, o Conselho de Segurança (CS) da ONU aprovou resolução prevendo sanções bélicas e tecnológicas ao Irã e determinando o fim do desenvolvimento do programa em um prazo de 3 meses.

Terminado este período a AIEA constatou que não apenas a resolução não foi cumprida, como o programa foi acelerado. Israel já trabalha com a hipótese que o ciclo de enriquecimento esteja concluído em um ano e que, vencida esta etapa o país se retire do TNP para desenvolver armas nucleares.

A questão é bastante sensível, e as potências ocidentais tentam impedir por vias diplomáticas o prosseguimento por este caminho. Em caso de fracasso, é provável que haja ações militares por parte de Israel e dos Estados Unidos. O que tornaria o Oriente Médio ainda mais explosivo do que é hoje.

A melhor coisa para a humanidade hoje é o sucesso da investida diplomática, pois parece cada dia mais improvável que as potências ocidentais assistam impassíveis o surgimento de uma potência nuclear na região.

Dia e Hora

Começou

O primeiro partido a chiar com a decisão do TSE foi, como não poderia deixar de ser, o PR. O PL é a união do antigo mensaleiro PN (antigo no nome, fique bem claro) com o PRONA. Pois o PR é justamente o partido que mais cresceu depois das urnas, com promessas de cargos que ainda nem existiam. Com a nomeação de Alfredo Nascimento para os Transportes, tinha tudo para inchar ainda mais, pois agora os cargos (e os recursos correlatos) efetivamente existem.

CIV IV - Vitória com os Árabes

Jogando no nível NOBLE terminei hoje mais um jogo de CIV IV.

Pontos: 5443
Território: 243000
Pop: 29460000

Decisão do TSE, um passo para a fidelidade partidária

O TSE tomou uma resolução que bate firme na infidelidade partidária e pode colocar alguma ordem na casa. Trata-se de uma consulta do PFL sobre a mudança de partido após a eleição. O mandato obtido nas urnas seria do partido ou do candidato?

Por 6 votos a 1 o TSE entendeu que seria do partido e o parlamentar eleito que trocasse de legenda perderia seu mandato. A principal base para a decisão é o fato que dos 513 deputados eleitos apenas 39 teriam votos para estar na Câmara. A aberração é muito grande.

A decisão do TSE é um parecer, não tem força de lei. Agora o PFL vai solicitar à mesa diretora as cadeiras que perdeu. Caso a resposta seja negativa ingressará com mandado de segurança no STF, que decidirá a questão. E a interpretação do TSE deverá ser levada em conta.

É uma luz no fim do túnel.

terça-feira, março 27, 2007

O Grande Jogo

Com o sub-título de Política, Cultura e Idéias em Tempos de Barbárie, este livro de Demétrio Magnoli de 2006 apresenta um panorama mundial e nacional da atualidade. O autor é cientista social e doutor em Geografia Humana pela USP.

O livro é uma coletânea de artigos e pensamentos que foram revisados e organizados em capítulos, de acordo com determinados temas.

No primeiro capítulo trata da organização mundial após a guerra fria, especialmente na Europa. A ONU e a União Européia são discutidas. A nova política americana sob comando dos conservadores radicais do Partido Republicano de intervenção onde seus interesses estivessem em jogo é dissecada e como se desmoronou o sonho de um mundo "civilizado".

Nos capítulos seguintes é apresentado a questão do Oriente Médio. É interessante a abordagem que faz do potencial simplificador da política internacional americana. Alerta que a guerra contra o terrorismo é um combate contra inimigos difusos e voláteis. É uma meta inatingível e condena os Estados Unidos, por antecipação, à derrota certa. Chama atenção também para o perigo do desenvolvimento nuclear iraniano.

Faz a distinção do mundo árabe e do mundo muçulmano que seriam conjuntos geopolíticos e culturais parcialmente superpostos, porém distintos. O fundamentalismo seria um contraponto ao panarabismo, doutrina que defende a unificação árabe num único estado. Uma passagem interessante é sobre a morte de Vieira de Mello que mesmo criticando a vulnerabilidade da missão se recusava a permitir que seu pessoal se escondesse atrás das tropas americanas; queria que o povo iraquiano diferenciasse a ONU dos Estados Unidos. Com a sua morte findou-se a crença no "governo mundial" baseado num "contrato social" entre as nações. Cada funcionário da ONU em Bagdá passou a ser protegido por veículos e soldados americanos.

Trata também da defesa da esquerda aos ditadores e crimes praticados pelos regimes comunistas pelo mundo. Lembra que em 11 de abril de 2003 o regime de Fidel Castro condenou à morte três líderes do sequestro de uma balsa com a qual tentavam chegar à Florida. Lembra da frase já cérebre de Saramago: "Cuba não ganhou nenhuma heróica batalha fuzilando aqueles três homens, mas, sim, perdeu minha confiança, arrasou minhas esperanças e frustou minhas ilusões". José Genuíno, então presidente do PT, comparou a sentença à cadeira elétrica americana. Esqueceu de dizer que só são condenados à morte nos Estados Unidos assassinos, nunca um sequestrador de balsa.

Mas o mais devastador do livro é a análise da política externa do Brasil no governo Lula. O fracasso de todos os objetivos que o novo presidente tinha traçado em 2003 estão ali expostos. Todas as derrotas diplomáticas e trapalhadas com Chaves-Morales são tratadas e, principalmente, a política do Brasil-potência.

Por fim, no último capítulo trata dois temas igualmente difíceis. O racismo e as cotas raciais, que é contra, e a violência que assola as grandes cidades brasileiras. Na sua ótica o poder público permitiu que se formasse territórios estrangeiros nas grandes favelas brasileiras e que a o estado deve retomar o território perdido, instalando um conjunto de equipamentos públicos básicos (hospitais, postos de saúde, escolas e, sobretudo, delegacias de polícia). Com a retaguarda do Exército.

Um livro fácil de ler e bastante abrangente, desmistificando alguns mitos, reafirmando outros, mas com o indiscutível mérito de tratar com inteligência dos temas a que se propôs. Você pode discordar de suas posições, mas seus argumentos são bem construídos e muito bem escritos.

Brasil 1 x 0 Gana

A seleção não repetiu a atuação do domingo e ficou no magro 1 x 0 diante de Gana em mais uma amistoso na Suécia. O trio Kaká-Ronaldinho-Robinho esteve muito ruim durante todo o jogo, o que comprometeu o poder ofensivo. E olha que Gana se mandou para o ataque e deixou espaços incríveis para contra-ataques. Não fosse defesas inspiradas de Júlio César o resultado poder ter sido muito ruim. Mas o pior mesmo foi Galvão Bueno repetindo infinitas vezes que há muito tempo não se fazia tanto calor na Suécia. Um calor de 10 graus. Lamentável.

Racismo

BBC Brasil - E no Brasil tem racismo também de negro contra branco, como nos Estados Unidos?
Matilde Ribeiro - Eu acho natural que tenha. Mas não é na mesma dimensão que nos Estados Unidos. Não é racismo quando um negro se insurge contra um branco. Racismo é quando uma maioria econômica, política ou numérica coíbe ou veta direitos de outros. A reação de um negro de não querer conviver com um branco, ou não gostar de um branco, eu acho uma reação natural, embora eu não esteja incitando isso. Não acho que seja uma coisa boa. Mas é natural que aconteça, porque quem foi açoitado a vida inteira não tem obrigação de gostar de quem o açoitou.


Este absurdo foi dito pela Secretária Especial de Política da Promoção da Igualdade e mostra que a noção de igualdade dela é meio torta. Imagino o que acontecesse se um branco afirmasse que é normal o racismo de brancos contra negros estaria preso. E sem direito à fiança. Mas ela pode falar o contrário que é tudo normal. Afinal é mulher e negra. Nos dias de hoje inimputável. Aliás foi a defesa da Benedita quando foi flagrada gastando dinheiro público para ir em encontro de sua igreja na Argentina. Na época disse que era preconceito por ser mulher e negra.

Se fosse seguir seu pensamento haveria também racismo de negro contra negro. A história mostra que antes da chegada dos europeus no continente africano eles já guerreavam e escravizavam os derrotados. Como os brancos escravizavam brancos na antiguidade. Aliás, os negros eram vendidos aos europeus pelos próprios negros, o que evidentemente não os isenta da responsabilidade pela escravidão.

Uma autoridade com um pensamento desses deveria ser demitida. Aqui, neste circo de horrores, não vai acontecer nada. Já não concordo com a política racial que está sendo implantada no Brasil, conduzida por um pensamento desses fica ainda pior. E vamos vivendo.

PIB é...

Emenda 3

Nas negociações em torno da Lei de criação da Super-Receita, a oposição conseguir através de negociação a inclusão da Emenda 3. A emenda reafirmava o Artigo 114 que reserva à Justiça do Trabalho o poder de decidir sobre a legalidade de vínculos empregatícios entre contratantes e prestadores de serviço.

O presidente vetou esta emenda. Na prática o governo quer que o fiscal da receita tenha o poder de desfazer estes contratos, o que se constitui uma flagrante violação ao estado de direito, pois dá ao fiscal poder de um juiz.

O argumento que agilizaria os processos é até válido, pois os processos judiciários são em geral lentos. Mas não se justifica invalidar uma norma constitucional desta maneira, nem os princípios do direito.

Mais uma vez fica patente que o maior interesse do governo é aumentar a arrecadação. O secretário da receita reclamou ontem da campanha pelo fim da CPMF, pergunta de onde sairiam os recursos para educação, saúde, etc.

Em nome do tal do "social" defendem o massacre dos impostos que chegam a mais de 40% do PIB. Por reclamar de muito menos (20%) um mineiro foi enforcado e esquartejado por ordem de uma rainha que se dizia louca. Desde este dia perdemos a coragem de reclamar dos impostos.

Cabe ao congresso derrubar o veto. Se algum dia for a plenário.

segunda-feira, março 26, 2007

Olho no olho....

5 campos da existência

Assisti uma palestra no fim de semana e um dos palestrantes falou que a existência teria 5 campos: ciência, filosofia, religião, mitologia e artes. Qualquer um que ficasse preso a um desses polos, por melhor que fosse, estaria tendo uma vida restrita. O segredo seria ter pontes abertas para cada uma das demais áreas. Podemos ser, por exemplo, um homem das ciências. Mas este homem deve dialogar, ter ligações com os demais.

Há algum tempo que tenho pensado nisso. Sempre fui muito voltado para as ciências e comecei, desde o ano passado, a tentar construir algumas "pontes" com os outros campos. Comecei a ler sobre filosofia, e aos poucos estou aprendendo bastante. Este ano voltei a freqüentar as atividades religiosas, e pretendo estudar mais sobre as outras religiões. Nas artes sempre tive uma grande ligação com a literatura e cinema. Estou tentando expandir. A mitologia ainda é um campo nebuloso, o que sei vem da escola, mais particularmente da mitologia grega.

O importante é que me convenci que não posso ficar restringindo meu mundo. Ou não devo. Não sei. Só sei que tenho uma necessidade de expandir meus conhecimentos e minha vivência. Alguns chamam de cultura inútil, que estudo só por estudar. Pode até ser, mas acho que devemos sempre caminhar na direção dos sábios, pois de alguma maneira vamos influenciando o mundo a nossa volta. Não tenho pretensão de tornar-me sábio, palavra que ultimamente ganhou certo teor pejorativo, mas tenho sim de tornar-me melhor e poder ajudar as pessoas mais próximas. O que tem a ver? Acho que muito. É conhecendo a existência que podemos melhor aconselhar e orientar quem precisa de auxílio. E educar os filhos, uma atividade sempre nobre.

Pergunta difícil

Um debate reuniu vários políticos de destaque na vida nacional. A última pergunta foi dirigido aos três participantes. Se fossem solteiros, com que mulher desejariam casar?
Aécio Neves foi o primeiro a responder:
__ Casaria com a Juliana Paes!
Um bêbado no funda da platéia bateu palmas e gritou:
__ Muito Bem! Casar pela beleza! Muito Bem!
O segundo foi Suplicy:
__ Casaria com a Marta!
Novamente o bêbado:
__ Muito Bem! Casar por amor! Muito bem!
Finalmente foi a vez de Lula:
__ Eu casaria com meu país, o Brasil!
O bêbado ficou ainda mais eufórico:
__ Muito bem! Muito bem! Fudeu tem que casar...

domingo, março 25, 2007

A rainha e o presidente

Interessante artigo no JB de hoje de autoria de Gastão Reis Rodrigues Pereira, empresário e economista.

A partir do filme A Rainha ele comenta a solidez das instituições políticas inglesas. Deixando de lado a questão da Princesa Diana, o autor chama atenção para a desmitificação da figura da rainha da Inglaterra como um "pinduricalho inútil mantido no arcabouço institucional inglês".

Na cena inicial, logo depois da vitória eleitoral do Partido Trabalhista o novo primeiro-ministro tem a primeira audiência com a rainha. Visivelmente nervoso, o vitorioso Tony Blair recebe instruções de como se comportar diante da rainha. As reverências e o fato de nunca poder dar as costas para a monarca, nem mesmo ao sair. Gastão levanta que a situação parece desconfortável para o cerimonial republicano de igualdade entre todos.

Deve-se compreender que na Monarquia o rei é o chefe de Estado por excelência, representando a nação e personificando o interesse público. Exerce sua aquela posição de forma apartidária, sem dever nada a grupos econômicos ou partidos. A reverência do primeiro-ministro é um lembrete que deve sempre se curvar ao interesse público e que está ali para serví-lo.

A última cena mostra Tony Blair caminhando ao lado da monarca detalhando suas ações específicas para a área de educação. É a prestação de contas semanal de seus atos a alguém que representa cada inglês com isenção maior do que se tivesse sido eleito.

No fim do artigo faz uma defesa do parlamentarismo monárquico. O presidente é o chefe de governo e chefe de estado, ou seja, "fiscaliza a si próprio (...), presta conta de seus atos a seu próprio umbigo. Muito menos semanalmente". Este fato representaria uma qualidade intrínseca superior do regime diante do presidencialismo. Conclui dizendo que jogamos tudo isso fora e pede ao leitor que pense à respeito.

Um bom tema para reflexão.

vasco 3 x 0 Flamengo

Deu tudo errado para o Flamengo hoje. Ou quase tudo. Não vi e nem quero ver como foi o jogo, pois de masoquista não tenho nada. O que sei é que o Vasco venceu e Romário por pouco não fez o milésimo gol contra o time da gávea.

A situação agora ficou muito ruim. Para se classificar para a Taça Rio precisa ganhar os 3 jogos que faltam, pois no sistema de grupo contra grupo não terá a oportunidade de enfrentar os adversários diretos, Madureira e Botafogo. É possível que cada um perca um jogo, mas mais do que isso é muito difícil. Mesmo assim terminaria empatado com os dois e teria que vencer o tricolor do subúrbio no saldo de gols porque o Botafogo, com os sete marcados na primeira rodada, está numa boa.

Contra o Fluminense, força máxima. Depois pega o Friburguense no domingo, véspera do embarque para a Venezuela. Se perder do Flu não há dúvidas. Time B em campo. Se vencer vai depender muito do que acontecer nos outros jogos. Como o jogo em Friburgo é o último da rodada, vai ter como saber a situação de Botafogo e Madureira (restando um jogo para cada). Se tiverem vencido os dois compromissos (quarta e fim de semana), time B. Se perderem pontos aí vale a pena arriscar e mandar o B para a Venezuela.

Primeiro passo, vencer o Tricolor. Depois se pensa no resto.

Tudo acontece para melhor

Fui convocado para uma reunião com meu orientador segunda de manhã. Em conseqüência tive que vir para o Rio no domingo e perdi o jogo entre Flamengo e Vasco. Não durou muito esta tristeza; o rubro-negro tomou uma chinelada do Vasco e por pouco, muito pouco, não leva o milésimo gol de Romário.

Na verdade fui poupado de assistir uma festa vascaína. Tudo acontece para melhor!

Conta Rápida

No início do ano a população se revoltou contra o mega-aumento da Câmara e conseguiu fazer os deputados voltarem atrás. O salário de R$ 12.000,00 saltaria para R$ 24.000,00. Agora a proposta é de R$ 26% passando o salário para R$ 15.000,00, repondo o valor da inflação. Mais uma vez nem tudo é o que parece.

Junto com o aumento, os deputados propõem que parte da verba indenizatória (R$ 5.4000) seja dispensada de comprovação de despesa. Significa que pode ficar com a grana. O valor sobe para R$ 21.000,00. Quase os 24 mil não? Na verdade estes R$ 5.400,00 ficam fora do cálculo de Imposto de Renda, o que na prática corresponde exatamente aos R$ 24.000,00 anteriores. É uma manobra para fazer o aumento disfarçado; o autor da proeza: Virgílio Guimarães, do PT.

Brasil 4 x 0 Chile

Vi apenas a segunda metade do primeiro tempo. Vi o trio brasileiro Ronaldinho-Robinho-Kaká jogando bem e os chilenos batendo para valer. Vi o gol de Kaká e no replay o de Ronaldinho. Infelizmente, ou felizmente, estava num almoço beneficiente (bobó de camarão!) e não vi o segundo tempo. O felizmente é pelo cardápio, não pelo jogo. Um excelente resultado, bom futebol e uma dúvida para Dunga. Apesar de Ronaldinho ter sido discreto, fez dois gols. E sendo discreto! Não dá para colocar um jogador destes no banco, né Dunga?

E o Fluminense? Adios. Agora é Copa do Brasil e olho vivo com o América de Natal. O tricolor voltou a jogar mal e perdeu para o Madureira, que segue vivo na busca de uma vaga nas semi-finais da Taça Rio. O Flamengo não pode nem pensar em empatar amanhã pois a tabela do time do subúrbio é extremamente favorável nos três jogos que faltam, pois já jogou contra os dois grandes do outro grupo e o América. Mesmo vencendo o Vasco a parada ainda é duríssima para o Rubro-negro. A derrota em Volta Redonda ainda pode custar muito caro.

sábado, março 24, 2007

Derrubando uma CPI

Nosso Ministro da Informação

FOLHA - O sr. participou da luta armada contra a ditadura militar de 1964. Como avalia hoje aquele período? Arrepende-se de algo? Faria diferente?
FRANKLIN - [Faria] muitas coisas diferentes com a visão que tenho hoje. Não me arrependo do central. Lutei do lado certo. Lutei ao lado da democracia contra a ditadura.

Para quem não sabe Franklin Martins participou do sequestro do Embaixador americano no Brasil junto com, entre outros, Fernando Gabeira. Este último já se convenceu que abraçara uma causa indefensável. Martis não. Na seu pensamento está a grande mentira que os perseguidos da ditadura conseguiram fazer florescer no Brasil. Que lutavam ao lado da democracia contra a ditadura. Não lutaram. Lutaram no sonho de substituir a ditadura militar pela ditadura comunista, tanto que eram financiados pela União Soviética através de Cuba.

Na mesma entrevista fala do processo que move contra o colunista da Veja Diogo Mainardi. Diogo o acusou de promiscuidade com o poder. Martins quer que ele prove. Que tal um diário oficial da união nomeando-o Ministro da Informação? Ah, errei o nome do Ministério? Errei não. Pesquisem na história.

sexta-feira, março 23, 2007

House Ep 302 - Cane and Able


Infelizmente perdi o primeiro episódio da 3ª temporada, mas nada que as repetições da tv a cabo não resolvam.

Neste segundo episódio House está sofrendo por um diagnóstico errado do episódio anterior. O que ele não sabe é que estava certo mas Cuddy e Wilson estão escondendo dele, para torná-lo mais humilde. A equipe trata de um garoto que acha que está sendo abdusido por Aliens e se jogou de uma janela. A coisa complica quando descobrem que possui um DNA diferente em seu coração. Para complicar a perna de House volta a doer o que o leva novamente aos analgésicos. História interessante, mas definitivamente não uma das melhores.

Dr. Gregory House: The results came back. The lab cannot identify the metal. Said it might not even be terrestrial.
Dr. Robert Chase: Really?
Dr. Gregory House: No, you idiot. It's titanium.

Mais cálculos

Sobre o enterro da CPI do apagão

A oposição pode se considerar vitoriosa nesta CPI. Sim, o governo conseguiu enterrá-la e dificilmente Celso de Mello vai derrubar uma decisão em plenário do outro poder. Mas a derrota era inevitável e a oposição conseguiu:
  • obrigar o governo a usar a truculência;
  • desgastar o governo no episódio;
  • e mais importante, conseguiu que a votação fosse nominal. Com isso os deputados que a enterraram deixaram suas digitais o que será muito importante no futuro próximo. A crise aérea está longe de acabar.
Por fim eu não tinha lido ainda o requerimento que pedia sua instalação. Não tem como dizer que não havia fato determinado, está tudo bem amarrado no texto. Fica claro que tratava-se de uma manobra política e que a CCJ deixou de cumprir o seu papel. Permitiu que a constituição fosse desrespeitada.

Cesar Maia em seu blog hoje lembra que vencer o governo no primeiro ano de mandato é praticamente impossível. Deve-se utilizar a tática de desgaste para conseguir as vitórias a partir do segundo ano quando a força das urnas vai se dissipando. Agiu com inteligência a oposição. Finalmente.

quinta-feira, março 22, 2007

Revisão de grau...

"Constrangimento"

Folha online:

Autor do polêmico projeto que permite aos deputados abocanharem até R$ 5.400 da verba indenizatória sem comprovação de despesa, o deputado Virgílio Guimarães (PT-MG) explicou que a iniciativa tem como objetivo evitar que os parlamentares passem pelo "constrangimento" de ter que pedir notas frias.

Virgílio exemplificou que muitas vezes um deputado pega um táxi e se esquece de pedir o recibo. Para não ficar com o prejuízo, acaba incorporando o valor em outra nota. "Isso é desagradável de o parlamentar aumentar uma nota para compensar outra. Os deputados têm reclamado muito disso", afirmou.


É mais um descalabro. A justificativa para um deputado poder gastar uma bolada mensal sem comprovar a despesa é evitar que cometam um crime! E o prodigioso petista ainda utiliza o termo "constrangimento" para o banditismo. A cada dia, a cada exemplo, mais uma demonstração que a vaca foi mesmo para o brejo.

Flamengo 1 x 0 Paraná

Mais um dia feliz no Maracanã

Está virando tradição. Desde a derrota para o Madureira ano passado por 3 x 2, ainda em Março, que não sei o que é perder quando vou ao estádio. Foram no período 10 jogos (contando um em Volta Redonda), nos quais o Flamengo empatou um e ganhou o restante. Como gosto de dizer, é o churrasquinho de gato que como antes de entrar no Maracanã. Supertições à parte, mais uma vez desci a rampa feliz da vida.

O jogo foi duro, o Paraná chegou a mandar duas na trave, mas o que chamou atenção mesmo foi o festival de gols perdidos, principalmente pelo Souza. A torcida tem toda a razão de se preocupar; nem sempre haverá tantas situações assim num jogo. Quando gritavam o nome do Obina, uma forma relativamente sutil de protestar, eis que mais uma vez, de cabeça, Souza faz o gol da vitória. O gol do jogo.

Um torcedor ao nosso lado (fui com o André) estava furioso com as críticas ao Souza e depois do gol desabafou em cima de todo mundo. Vai ver ele gosta de centro-avante que perde gols, eu não. Um outro torcedor começou a bater boca com ele e quase começou uma confusão. Coisas de arquibancada.

O time está classificado, tem a liderança da chave e muito dificilmente deixa de se classificar em primeiro. Com dois jogos fáceis para terminar, ainda periga terminar com a melhor campanha. Considerando que na última Libertadores foi eliminado sem uma vitória, não há o que se queixar.

O desfio agora é o Vasco no domingo. Infelizmente com a derrota no último jogo o time não pode perder o clássico. Os mil gols de Romário é problema dele e do Vasco, o Flamengo não pode entrar nesta. E se o Vasco entrar com esta preocupação no domingo melhor para o rubro-negro. É um jogo que quem não tiver ligado na vitória já perdeu antes de entrar no gramado.

quarta-feira, março 21, 2007

Enfim o espetáculo do crescimento

Demorou mas o governo Lula conseguiu finalmente crescer mais do que o governo FHC. Bastou um pouco de boa vontade para os técnicos do IBGE alterarem a metodologia de cálculo e... pronto! O PIB brasileiros esticou! O presidente andava incomodado pelo fato do PIB ter crescido o mesmo que o primeiro mandato do governo anterior, agora não mais, pois todos os índices dos 4 anos do primeiro mandato foram revistos para cima. Alguns índices até dobraram.

Os do primeiro mandato de FHC? Claro que não foram revistos. Fala sério!

Sermão

Uma Gota de Vodka

O novo Padre da paróquia estava tão nervoso no seu primeiro sermão, que quase não conseguiu falar. Antes do seu segundo sermão, no domingo seguinte, perguntou ao arcebispo como poderia fazer para relaxar. Este lhe sugeriu que na próxima vez, colocasse umas gotas de vodka na água e que depois de uns goles estaria mais tranqüilo.

No domingo seguinte aplicou a sugestão se sentiu-se tão bem, que poderia falar alto até no meio de uma tempestade, de tão feliz e descontraído que se encontrava.
Depois de regressar à reitoria da Paróquia encontrou uma nota do Arcebispo
dizendo-lhe:Prezado Padre,seguem algumas observações:

1) Na próxima vez, coloque gotas de vodka na água e não gotas
de água na vodka.
2)Não coloque limão e açúcar na borda do cálice.
3) O manto da imagem de Nosso Senhor Jesus Cristo não deve ser usado como guardanapo
4) Existem 10 Mandamentos e não 12.
5) Existiram 12 Apóstolos e não 10.
6) Judas traiu Jesus, não o "sacaneou".
7) Jesus foi crucificado, não enforcado ;
8) e Tiradentes não tem nada a ver com a história.
9) A hóstia não é chicletes; portanto evite tentar fazer bolas.
10) Aquela "casinha" é o confessionário; não o banheiro.
11) Evite apoiar-se na imagem de Nossa Senhora, muito menos abraçá-la.
12) A iniciativa de chamar o público para cantar foi louvável, mas fazer trenzinho e correr pela igreja foi demais...
13) Água benta é para se benzer e não para refrescar a nuca.
14) Nunca reze a missa sentado na escada do altar; muito menos com o pé sobre a Bíblia Sagrada.
15) As hóstias devem ser distribuídas para os fiéis; jamais usadas como aperitivo para acompanhar o vinho.
16) Procure usar roupas debaixo da batina.
17) Evite abanar-se com a batina quando estiver com calor..
18) Jesus nasceu em Belém, mas isto não significa que ele seja paraense.
19) Numa missa não se deve fazer perguntas ao público.
20)Também não se deve pedir ajuda aos universitários. Até porque eles não sabem nada.
21) Quem peca é um pecador; não um filho da pu.ta.
22) Quem peca vai para o inferno; e não "pra pu.ta que o pariu".

Pelos 45 minutos de missa que acompanhei, notei essas falhas.

Espero que tais falhas sejam corrigidas já para o próximo domingo.

Atenciosamente,

O Arcebispo
P.S.: Uma missa leva em torno de uma hora, e não dois tempos de 45 minutos.

E aquele sujeito sentado no canto do altar, a quem você se referiu como "travecão de vestido", era eu.

Novos hábitos

Pensamento

A luta armada não deu certo e eles agora pedem indenização? Então eles não estavam fazendo uma rebelião, mas um investimento”.

Millôr Fernandes

Detalhe

Um detalhe chamou atenção na manobra do governo ontem. Quando a sessão da CCJ foi interrompida por causa do início da ordem do dia, a oposição julgava impossível o reinício da mesma pois os trabalhos durariam a noite toda, se empenhariam para isso. Para tanto propuseram analisar as medidas do PAC que estavam travando a pauta. O governo solenemente ignorou e esvaziou o plenário. Mais que depressa Picciani reuniu a CCJ para aprovar o relatório em que, ignorando sua posição de presidente, ajudou a articular.

Que fique registrado: para impedir a instalação da CPI o governo recusou votar as tão importantes medidas da PAC. Um claro indício do que é realmente relevante no planalto.

terça-feira, março 20, 2007

Vitória do Governo, derrota da democracia

O governo conseguiu enfim aprovar na CCJ o relatório de Colbert Martins do PMDB-BA (guardem o nome) que não viu "fato determinado" para abertura da CPI do apagão. O processo vai agora para o plenário da câmara onde, novamente, o governo tem maioria. Os governistas trabalham com pressa para derrubar a CPI antes da decisão de Celso de Mello no STF. O raciocínio é criar a preocupação no juiz de não intrometer em outro poder da república, pois a CPI seria uma questão interna do Legislativo e teria sido derrubada em plenário.

Pior que o caso em si é o precedente. As CPIs futuras estariam virtualmente derrubadas, bastante para isso que o governo mantenha sua maioria simples. A minoria parlamentar perderia o seu principal instrumento para fiscalizar e investigar o governo. Acusam o governo FHC de enterrar CPIs, mas esquecem de falar que as CPIs não instaladas não tinham um terço dos votos. A própria oposição, comandada pelo PT, não conseguia articular seus próprios aliados.

É de interesse da democracia que Celso de Mello interfira sim no Legislativo para impedir esta afronta à constituição. O regimento interno das casas não podem ser utilizadas (como foi na CPI dos bingos) para impedir um processo previsto na lei maior do país.

Com ministério não se brinca...

CPI do apagão

Governo e oposição travam batalha na CCJ da Câmara sobre a instalação da CPI do apagão aéreo. A CPI chegou a ser instalada pelo presidente da casa mas um recurso do líder do PT jogou-a para a CCJ. Luis Sérgio argumenta que não existe fato determinado e que a crise do setor já está sendo investigada pelos órgãos oficiais. Trata-se obviamente de uma manobra política. A CPI é um direito da minoria, que precisa de 1/3 de assinaturas para sua instalação. Ao jogar para a CCJ, o governo passa a atuar por maioria simples, o que tem com sobras.

Argumentam que a CPI só serve para dar palco para a oposição atacar o governo. De certa forma é verdade, e é assim em qualquer ponto do mundo. Como é também a máxima de que o governo governa e a oposição fiscaliza. E seu instrumento principal é a CPI. Não existe fato determinado? Mas só tem fato determinado! Tem uma avião derrubado ao que tudo indica por falha no controle aéreo, caos nos aeroportos, denúncias de super-faturamento em obras da Infraero...

Pois voltamos a situação da caos nos aeroportos. Novamente o governo convoca uma reunião de emergência. Pois estamos a meses em situação de emergência! E o ministro continua onde sempre esteve: completamente perdido. Um retrato do governo a que pertence.

A CPI é legítima e o argumento governista serve, em tese, para evitar qualquer CPI em qualquer governo. É um absurdo. Espera-se que o STF tenha mais bom senso do que a tunga à constituição que está sendo armada justamente no colegiado do Congresso que deveria defendê-la.

Mais sobre o papa

Em artigo, o bispo Dom João Bosco Oliver de Faria tocou na lambança da tradução oficial do vaticano para o pensamento de Bento XVI sobre o divórcio. É impressionante que após tantos dias apenas um religioso católico tenha vindo a público esclarecer a trapalhada. Talvez se os padres brasileiros pensassem um pouco mais na fé do que nos "problemas sociais"...

O bispo de Patos de Minas(MG) levanta que os tradutores confudiram a palavra italiana "piaga". Piaga significa "chaga" em português e não "praga" que no italiano é traduzido por "peste". Parece bobagem mas não é.

O religioso lembra que o processo de divórcio geralmente é doloroso para as partes e, principalmente, os filhos. Segundo ele "a caneta que assina o divórcio tem como tinta a lágrima dos filhos". Mesmo que a separação busque uma melhor situação ela acompanha a frustração de um amor que não deu certo.

Pois Bento XVI comparou o processo a uma chaga, que significa dor. O Aurélio define como: "ferida aberta; cicatriz deixada por essa ferida". Tanto é esse o sentido que o papa utilizou que acrescenta a recomendação que os sacerdotes "ajudem espiritualmente e de modo adequado os fiéis implicados".

Portanto, podem discordar quem quiser de Bento XVI, mas não se pode colocar como palavras suas o que não foi dito.

segunda-feira, março 19, 2007

Ponto G

Volta Redonda 2 x 1 Flamengo

A derrota do time B do Flamengo em Volta Redonda foi duplamente ruim. Primeiro pelo resultado em si. Depois pelos resultados de Botafogo e Madureira. O time da gávea está empatado na segunda posição com o tricolor suburbano, mas tem jogos mais difíceis pela frente. Com o foco voltado para as Libertadores dificilmente passará, o máximo que pode almejar agora é atrapalhar Vasco e Fluminese. Pelo andar da carruagem é provável que só um deles se classifique.

E deu Raikkonen

Kimi Raikkonem não teve a menor dificuldade para vencer a abertura da temporada em Melborne. Em nenhum momento foi ameaçado pelas MacLarens de Alonso e Hamilton que, nesta ordem, completaram o pódio.

Massa teve um fim de semana combatendo a má-sorte. Depois de uma quebra de câmbio que o deixou na 16ª posição, teve que trocar o motor e largar em último. Fez uma prova madura de recuperação e chegou onde poderia chegar, em 6º. Poderia ter chegado em quarto se não fosse tão atrapalhado por Button e tivesse a sorte de ter pelo menos 1 bandeira amarela. Mas a danada não esteve com Felipe em uma prova em que houveram pouquíssimos abandonos.

Agora Massa tem que recuperar o terreno perdido dentro da equipe para Raikkonem. A Ferrari não vai demorar muito para decidir quem é seu primeiro piloto e o finlandês já largou na frente.

domingo, março 18, 2007

"Plaga" do Papa

"Por isso, é mais que justificada a atenção pastoral que o Sínodo reservou às dolorosas situações em que se encontram não poucos fiéis que, depois de ter celebrado o sacramento do Matrimónio, se divorciaram e contraíram novas núpcias. Trata-se dum problema pastoral espinhoso e complexo, uma verdadeira praga do ambiente social contemporâneo que vai progressivamente corroendo os próprios ambientes católicos. Os pastores, por amor da verdade, são obrigados a discernir bem as diferentes situações, para ajudar espiritualmente e de modo adequado os fiéis implicados”.

Esta é a tradução oficial em português do discurso do papa no site do Vaticano. Pois os tradutores oficiais da Santa Fé precisam estudar mais para não errar desse jeito.

O papa utilizou o termo "plaga" em latim para caracterizar o segundo matrimônio. Pois o significado correto é “chaga, ferida, lesão” conforme o Dicionário Latino Português, de Francisco Torrinha. A própria tradução do discurso para outros idiomas no referido site confirma que era este o pensamento do religioso.

Pois a mídia brasileira resolveu cair de pau em Bento XVI por ter comparado o segundo casamento a uma praga. Até a OAB resolveu botar o bedelho na estória, o que não é novidade já que entidade se considera agora representante do povo brasileiro.

Pois Bento XIV é o líder maior da religião católica e cabe a ele orientar o pensamento de sua igreja segundo a moral que sua religião defende. E acabou. Fui católico até cerca de vinte anos e não me considero em condições de ficar criticando a orientação do papa. Suas palavras são dirigidas a seus religiosos e fiéis. Ninguém é obrigado a ser católico.

A Folha de São Paulo de hoje consegue a proeza de comparar o casamento ao futebol. Diz o periódico: "É como se seu time fosse vice-campeão de um torneio e, algum tempo depois, o campeão fosse declarado inexistente porque violou as regras do jogo.”

A Igreja considera o matrimônio um sacramento sagrado, baseado nas palavras de Jesus: o que Deus uniu não cabe ao homem separar. Quem quiser que interprete as palavras de Cristo como quiser. O papa tem o direito e o dever de dar sua interpretação aos seus fiéis.

O fato é que o casamento foi realmente banalizado na sociedade moderna. Não acho que facilitar ou dificultar a separação seja a solução, mas acho que as pessoas devem pensar mais ao tomar esta decisão. E é sim uma questão que cabe reflexão moral e, sobretudo, de moral religiosa. Seja católica, evangélica, judaica ou espírita.

sábado, março 17, 2007

Paixão de Aluguel

The Perfect Man, EUA, 2005
Direção: Mark Rosman
Elenco: Hilary Duff, Heather Locklear, Chris Noth, Amy Acker, Dennis DeYoung

Comédia simpática e mais um veículo para Hilary Duff. Desta vez ela tenta trazer um pouco de felicidade para a mãe e inventa um admirador secreto, provocando uma série de confusões. O título em português não tem a menor relação com a estória e fico me perguntando da onde tiram estas bobagens. Mais um filme no formato padrão da indústria mas que tem o mérito de não ser apelativo. Nota 6,5.

Só técnicos

Felipe Massa... mais um ano?

No redação sportv de ontem a euforia com Massa era evidente. Dono do melhor tempo nos primeiros treinos livres e destaque na pré-temporada estava sendo festejado como o favorito ao título. Um comentarista que não lembro o nome, e especialista em fórmula 1 foi taxativo: o favorito é Alonso. Massa corre para ser vice. Protestos de todos. Ele explicou: é histórico que o período de maturação para um campeão é de no mínimo 3 anos. Aconteceu com todos os campeões. Até com o alemão, e Massa está justamente no terceiro ano. Segundo ele em 2008 Massa corre para o título. Fiquei com isso na cabeça.

Pois na definição do grid Massa teve problemas com o câmbio e larga na 16ª posição. É ainda início da temporada mas é bom prestar atenção nesta análise. Acho que faz todo o sentido.

Adeus Polícia Federal

Esta semana foi confirmado o novo Ministro da Justiça. Trata-se de Tarso Genro. Nunca antes o ministério teve um titular tão político e ideológico. Vive alardeando uma tal "refundação" do PT, mas diante de qualquer acusação ao partido saía-se com "conspiração da mídia". Nos dias seguintes à re-eleição defendia o controle da imprensa pelo Estado.

Pois se não tem o controle da imprensa agora tem da Polícia Federal. Se a PF já não investigava mensaleiros sob o comando de MTB agora, então, sem chance. Não tenho dúvidas que a instituição ficará agora à serviço do PT, tornando-se uma polícia política.

A única esperança é que Genro é um desastre em qualquer cargo que ocupe. Foi assim no Ministério da Educação (um daqueles que Lula disse que não brinca), na presidência do PT (brevíssima) e na coordenação política do governo (constantemente desautorizado pelo presidente). Sua incopetência é benéfica ao país, espero que não nos decepcione.

Começou muito mal o novo ministério. O da agricultura inclusive já subiu no telhado. Descobriram que a ficha é mais suja que pau de galinheiro, e mais uma vez o presidente se queixa que ninguém lhe avisou.

Um governo com a cara do país.

sexta-feira, março 16, 2007

A primeira investigação de Maigret

Sempre fui um fanático pelos romances de Agatha Christie. Por tabela acabei muitas vezes escutando falar de George Simenon e seu detetive, o Inspetor Maigret. Depois de muitos anos, aproveitando o lançamento da editora L&PM em pocket, li A Primeira Investigação de Maigret.

Como não tinha praticamente referência nenhuma deste escritor belga e sua obra, confesso que não tinha expectativa nenhuma para este romance. E me surpreendi. Se Sherlock Holmes e Hercule Poirot são pontos extremos de detetives, dois gênios em suas habilidades, o inspetor Maigret é um terceiro ponto, formando um triângulo.

Poirot é o gênio da elaboração mental, da profunda análise da psicologia do crime como gostava de dizer. Holmes aliava um profundo conhecimento científico a uma análise criteriosa das cenas dos crimes..

E o que é Maigret?

É o homem comum. Um inspetor esforçado, persistente mas sem ser brilhante. O romance que li não se pode dizer nem que resolveu o caso, no máximo tomou a direção correta. A trama? Se Conan Doyle e Agatha Christie montavam tramas mirabolantes e complexas, a trama de Simenon é extremamente simples e até certo ponto banal.

Decepção? Até que não, pois seus personagens são fortes e interessantes. E dificilmente pode-se dizer que são bons ou maus. O vilão não é bem vilão e o mocinho não é bem mocinho. Nem mesmo Maigret está acima do bem e do mal.

E isto que torna sua estória bem real. Definitivamente lerei mais um.

Pacote da Educação

Ontem foi o dia da educação. O presidente fez questão de falar do tema e na sua coleção de bobagens habituais saiu-se com essa:
“Eu acho que tem duas coisas que são fundamentais no Brasil: Educação e Saúde. Com isso, a gente não brinca, a gente não partidariza, a gente monta o governo com as pessoas que têm competência, com as pessoas que têm capacidade de montar um bom governo. Porque, na Saúde, se você brincar, é morte. Na Educação, se você brincar, é um analfabeto”.

A única leitura possível é que os demais ministérios podem ser ocupados por pessoas sem competência, partidarizadas. É mais um assinte. Talvez explique, por exemplo, a relação da causa e efeito entre a nomeação do companheiro Waldir Pires para a defesa e o apagão aéreo (com mortes). Lógico que Lula esqueceu que já "brincou" com a saúde com Humberto Costa.

Uma das minhas maiores críticas ao governo PSDB foi a educação. Instituíram uma bobagem sem tamanho que foi a progressão continuada, em que a escola é obrigada a aprovar o aluno mesmo que não tenha aprendido. O resultado pode ser visto no desempenho horroroso dos alunos de São Paulo.

Pois o governo Lula conseguiu piorar o quadro quando o celebrado ministro Cristovão Buarque acabou com o provão. Cabia melhorias? Com certeza. Mas o provão provocou uma correria nas universidades particulares para melhorar o ensino e, principalmente, contratar melhores professores. O aperfeiçoamento dos mesmos através de mestrados e doutorados passaram a ser incentivados o que aumentou a procura por cursos de pós-graduação. Hoje voltamos à mediocridade de sempre.

O presidente promete um pacote para o setor. Fala-se em 1 Bilhão de reais. Acredito que será mais dinheiro jogado no ralo. O que já existe, se não é o melhor dos mundos, é muito mal gasto. Deveria-se primeiro arrumar a casa com o que já tem para depois colocar mais recursos. O que entrar agora só vai para os imensos ralos do setor.

Cada vez mais estou convencido que a medida urgente no setor é melhor capacitação dos professores. E parar com esta outra bobagem de que a escola deve ter como objetivo principal formar o cidadão. É uma responsabilidade que a família não pode e não deve abrir mão. A escola é parte desse processo, à medida que deveria estar fazendo o que se espera. Ensinar. Mas como ensinar se recente exame em professores de matemática recém-formados produziu a horrorosa média de 2,7?

O necessário hoje é um diagnóstico. O que está errado? Onde estão aplicados os recursos? Como são avaliados os currículos? Como são avaliados os professores? E os alunos?

Estas respostas já conduzem por si só às primeiras medidas a serem tomadas.

Um exemplo retrata o apagão da Educação. Uma das únicas escolas que ainda apresenta rigor com os casos de cola é a Academia Militar das Agulhas Negras. Desde os tempos de Caxias a punição para a prática é inapelável: expulsão. Pois um aluno recentemente expulso pela prática ganhou na justiça o direito de voltar, apesar de contrariar o regulamento da instituição, que foi acordado pelo aluno ao ingressar. Entendeu a justiça que a cola é uma prática normal no Brasil e portanto não deve ser motivo para punição.

Como disse Millôr: a vaca já foi para o brejo, estamos no máximo administrando o rabo...

quinta-feira, março 15, 2007

Papo no Laguna

Hoje à tarde, antes de viajar estava na lanchonete Laguna comendo uma esfirra quando escutei este diálogo entre um atendente e um cliente. O cliente dizia:
__ Aprende uma coisa, mulher não gosta de homem. Quem gosta de homem é bicha. Mulher gosta de dinheiro.
__ E homem gosta de que?
__ De mulher.
__ Sei não...
__ O que?
__ Este negócio de mulher só gosta de dinheiro. Quer dizer que a Gisele Bundchen só quer saber de grana?
__ Claro. Presta atenção, ela só tem namorado mais rico do que ela!
Nisto outro atendente se mete na conversa.
__ Sabe que é verdade... nunca tinha pensado nisto... e ela tá com o Raimundo de Castro....
Silêncio.
__ Quem? __ perguntou o atendente que conversava com o cliente inicialmente.
__ O Raimundo de Castro.
__ Você quer dizer Leonardo DiCaprio?
__ Isto. Raimundo de Castro. O homem que afundou o Titanic.
Hora que um terceiro atendente comenta melancólico:
__ Achei que tinha sido um iceberg...

Ministério da Comunicação Social

O governo considera que 34 ministérios eram poucos para tantas boas intenções. Está criando mais dois. Um de portos e aeroportos para acomodar aliados. Outro muito mais emblemático, o Ministério da Comunicação Social.

Trata-se de um super-ministério que terá ainda mais poder que a antiga Secom de Gushiken. Terá sobre sua esfera a Radiobrás e a nova tv do Executivo. E o governo alardeou que a nova tv seguiria o modelo da BBC. Engraçado. Um modelo de autonomia mas subordinado a um ministério que tem como razão de ser a propaganda oficial do governo. E com um modesto orçamento de 1,5 bilhões de reais. Só em verba publicitária.

Cabe lembrar que estas verbas publicitárias alimentaram o mensalão. Cabe lembrar que mensalão foi a compra de votos de deputados no congresso. É bom lembrar estas coisas para não cair no esquecimento.

Mas não é só isso. O governo quer que o novo Ministro seja Franklin Martins. Martins era o comentarista político do Jornal Nacional até que foi emparedado por Diogo Mainardi em artigo para a Veja que relatava seus elos com o governo. Houve uma troca de artigos pela imprensa e Franklin acabou demitido da Globo. Na época o Observatório da Imprensa fez o calvário de Mainardi.

Coincidência ou não aí está Franklin Martins acertando seu lugar como Ministro de Lula. Podem até dizer que ele é um profissional e etc. Mas a grande pergunta é: o governo convidaria para um cargo tão vital alguém que não tivesse total confiança? E da onde vem esta confiança? Da atitude imparcial e neutra que o jornalista afirmou ano passado?

Só sei que deve ter um bando de jornalista se roendo de inveja. Gente com Cruvinel, Noblat....

Paraná 0 x 1 Flamengo


Liderança

O Flamengo venceu ontem o Paraná na Vila Capanema pelo placar mínimo. O time foi muito bem, especialmente no primeiro tempo. Comandado por Juninho e os dois Renatos inspirados o rubro-negro comandou as ações e teve as melhores chances. Renato de cabeça fez o gol do jogo e novamente Souza voltou a perder gols que um centro-avante não pode desperdiçar.

O Flamengo termina o primeiro turno do grupo na Liderança o que é especialmente bom pelo fato de ter jogado apenas uma partida em casa. Tem, portanto, todas as condições para vencer o seu grupo.

Outros Jogos

O Internacional foi derrotado pelo Velez fora de casa por 3 x 0. A derrota para o time argentino não chega a ser um resultado anormal, mas a facilidade com que o Velez derrotou o campeão mundial foi preocupante. O Santos manteve a boa fase vencendo pelo mesmo placar o Gynasia, com show de Zé Roberto. O trabalho do time da vila foi facilitado pelo treinador adversário que resolveu poupar os jogadores principais para o jogo como o Boca no campeonato argentino.

quarta-feira, março 14, 2007

Clubes que se apequenam

Hoje estava vendo uma discussão que estava se travando no futebol paulista pelo veto da Federação local para jogos decisivos na Vila Belmiro. Vanderlei argumenta que se o Santos não pode decidir na Vila o São Paulo também não pode no Morumbi pois teria vantagem indevida por jogar em casa. O mesmo argumento já vinha sendo batido por Leão.

Pois eu não imaginei que veria o dia em que Santos e Corinthians consideraria o Morumbi como casa do adversário. Sim, eu sei que o estádio pertence ao São Paulo, mas em se tratando de clássico é campo neutro, pois o que caracteriza mesmo o jogo fora é a torcida contra pressionando. Não é o que acontece quando estes dois clubes jogam no maior estádio da cidade.

Aliás TODAS os títulos brasileiros conquistado em finais por Santos, Palmeiras e Corinthians foram no Morumbi. Assim como as do Vasco foram no Maracanã. Só falta agora o Vasco considerar um jogo com o Flamengo no Maracanã como partida fora de casa.

Gostaria que o Flamengo tivesse um estádio parecido com o do Santos. Para jogos de médio porte, com perspectiva regular de público. Finais e jogões não. Entendo que o lugar de um grande clube é no maior estádio da sua cidade. É onde Vandelei e Leão deveriam fazer questão de levar as torcidas dos dois clubes, que já cansaram de lotar o Morumbi.

O caso do Inter e Grêmio é um pouco diferente pois ambos os estádios possuem capacidade parecida. Nesta caso caracteriza-se a "casa" dos dois, embora quando se enfrentem não haja vantagem de mando de campo, pois ambos atuam diante de sua torcida.

Por fim lembro que o Santos de Pelé fez a final do mundial inter-clubes no Maracanã. Entendiam os santistas que deveriam jogar no maior estádio do Brasil (e do mundo) pois representavam seu país naquela competição. E o Maracanã encheu.

Mais uma derrota na OMC

Uma coisa que nunca me interessei muito foi política externa, mas ultimamente tenho me esforçado para me inteirar mais nesta parte.

A notícia ontem foi a derrota do Brasil na OMC. Pelo que entendi o Brasil tinha impedido a importação de pneus recauchutados por motivos ambientais. O problema é que alguns países do Mercosul, notadamente o Uruguai, não foram atendidos pela medida. Além disso alguns importadores conseguiram liminares na justiça garantindo a importação.

A OMC decidiu que a questão ambiental pode sim ser utilizada para impedir a entrada de produtos em um país, mas a medida tem que ser aplicada a todos os importadores. Além de impedir as tais liminares.

Na prática significa que o Brasil pode proibir a importação, mas deve impedir também a oriunda do Mercosul. Foi mais uma derrota da diplomacia sul-sul que está sendo implantada por Celso Amorim, que aliás novamente tenta transformar derrota em vitória como no caso Bolívia. Segundo ele, o relatório é favorável ao Brasil pois "Nos protege e acata a nossa argumentação de que razões de meio ambiente podem ser invocadas". Típico.

Absolutismo

Novas regras

Nas partidas decisivas entre FLAMENGO e Vasco, a CBF acaba de determinar novas

Regras para o clássico dos milhões com o objetivo de equilibrar os resultados das futuras partidas entre ambos. A partida vai começar Vasco 3 x 0 FLAMENGO .O Obina so pode jogar 2 minutos por jogo .Os jogadores do FLAMENGO que forem destro não vão poder fazer gol com a perna direita, e os canhotos não vão poder fazer gol com a perna esquerda .Os atacantes do FLAMENGO não vão poder entrar na área do Vasco .Em bolas paradas para o Vasco, o FLAMENGO não podera formar barreira .O Bruno não vai poder realizar defesas com o pé .Para cada 3 torcedores do Vasco no estádio o FLAMENGO vai poder ter 1, a média prevista é de 5 mil pagantes por jogo .O FLAMENGO tem que fazer 6 gols para valer 1 .Quem vai escolher os arbitros da partida é o Sr.Eurico Miranda .Qualquer jogador do FLAMENGO que relar no Romário vai ser pênalti para o Vasco .A cada 5 roubadas de bola do FLAMENGO, 1 jogador do FLA vai ter que ser expulso .Ney Franco não pode mais fazer substituições .Léo Moura não pode dar mais nenhum corte nos jogadores do Vasco, caso isso ocorra sera expulso por 10 partidas. A CBF entende que com essas regras serão mais equilibrados os jogos entre FLAMENGO x Vasco daqui por diante.

terça-feira, março 13, 2007

Manifesto da Pancinha

A Eliene recebeu esta por e-mail:

Meninas de todo o Brasil, tenho um conselho valioso para dar aqui: se você acabou de conhecer um rapaz, ficou com ele algumas vezes e já está começando a imaginar o dia do seu casamento e o nome dos seus filhos, pare agora e me escute! Na próxima vez que encontrá-lo, tente (disfarçadamente) descobrir como é sua barriga. Se for musculosa, torneada, estilo “tanquinho”, fuja! Comece a correr agora e só pare quando estiver a uma distância segura. É fria, vai por mim.

Homem bom de verdade precisa, obrigatoriamente, ostentar uma barriguinha de chopp. Se não, não presta. Veja bem, não estou falando daqueles gordos suados, que sentam horas na frente da televisão com um balde de frango frito, e que, quando se abaixam, mostram um cofre peludo. Não! Estou me referindo àqueles que, por não colocarem a beleza física acima de tudo (como fazem os malditos metrossexuais), acabaram cultivando uma pancinha adorável. Esses, sim, são pra manter por perto. E eu digo por quê.

Você nunca verá um homem barrigudinho tirando a camisa dentro de uma boate e dançando como um idiota, em cima do balcão. Se fizer isso, é pra fazer graça pra turma - e provavelmente será engraçado, mesmo. Já os “tanquinhos” farão isso esperando que todas as mulheres do recinto caiam de amores - e eu tenho dó das que caem.

Quando sentam em um boteco, numa tarde de calor, adivinha o que os pançudos pedem pra beber? Cerveja! Ou Coca-cola, tudo bem também. Mas você nunca os verá pedindo suco ou coca-light. Ou, pior ainda, um copo com gelo, pra beber a mistura patética de vodka com “clight” que trouxe de casa. E você não será informada sobre quantas calorias tem no seu copo de cerveja, porque eles não sabem e nem se importam com essa informação.

E no quesito comida, os homens com barriguinha também não deixam a desejar. Você nunca irá ouvir um “ah, amor, ‘Quarteirão’ é gostoso, mas você podia provar uma ‘McSalad’ com água de coco”. Nunca! Esses homens entendem que, se eles não estão em forma perfeita o tempo todo, você também não precisa estar.

Mais uma vez, repito: não é pra chegar ao exagero total e mamar leite condensado na lata todo dia! Mas uma gordurinha aqui e ali não matará seu relacionamento. Se ele souber cozinhar, então, bingo! Encontrou a sorte grande, amiga.

Ele vai fazer pra você todas as delícias que sabe, e nunca torcerá o nariz quando você repetir o prato. Pelo contrário, ficará feliz.

Outra coisa fundamental: homens barrigudinhos são confortáveis! Experimente pegar a tábua de passar roupas e deitar em cima dela. Pois essa é a sensação de se deitar no peito de um musculoso besta. Terrível! Gostoso mesmo é se encaixar no ombro de um fofinho, isso que é conforto. E na hora de dormir de conchinha, então? Parece que a barriga se encaixa perfeitamente na nossa lombar, e fica sensacional.

Homens com barriga não são metidos, nem prepotentes, nem donos do mundo. Eles sabem conquistar as mulheres por maneiras que excedem a barreira do físico. E eles aprenderam a conversar, a ser bem humorados, a usar o olhar e o sorriso pra conquistar.

É por isso que eu digo que homens com barriguinha sabem fazer uma mulher feliz.

Bom, pelo menos o meu sabe.

Turismo

TV Executivo

O Globo:
O governo planeja implantar a Rede Nacional de TV Pública do Executivo. O ministro das Comunicações, Hélio Costa, apresentou ontem ao presidente Lula o anteprojeto da criação da rede. A estimativa é de que o custo da TV do Poder Executivo seja de R$250 milhões nos próximos quatro anos.


Faz parte do projeto petista de "democratizar" os meios de comunicações, junto com a revisão das concessões. Alegam que a Inglaterra tem uma tv pública reconhecida mundialmente, a BBC.

Não tenho dúvidas que a TV Executivo não vai lembrar em nada a BBC. Esta tem autonomia editorial em relação ao governo pois entende-se que é uma rede pública e não rede governamental. É uma diferença enorme. A BBC considera que está a serviço do povo inglês e não dos governantes de plantão.

Aqui no trópicos é impossível imaginar modelo semelhante. Num país onde não existe fronteiras entre o público e o privado não há como o governo não meter as mãos com tudo na programação da emissora. Já devem estar até loteando os cargos para os aliados. Vai ser a voz do Brasil versão televisiva.

É só ver o que o governo fez com a Isto É e a Carta Capital. A primeira foi feita até de aliada em crime eleitoral. A segunda já é uma versão do Pravda, o extinto noticiário oficial soviético. Se fazem isso com mídias "privadas", estas aspas são por conta do amplo domínio de patrocínio oficial, imagine com uma rede à disposição...


segunda-feira, março 12, 2007

Exigências...

Culpa Coletiva

O JB de hoje trouxe um artigo do economista Ubiratan Iorio que reflete um pensamento meu de algum tempo. Ele alerta para a questão do relativismo moral que gerou o coletivismo, um processo de atribuição das culpas não aos verdadeiros culpados, mas a "entes holísticos, tais como a sociedade, o sistema e as elites".

Iorio lembra da Teoria Econômica do Crime, desenvolvida na Universidade de Chicago por economistas e juristas que ensina que a taxa de incidência de um crime é função decrescente de duas variáveis básicas: a probabilidade de punição e o rigor da pena. Para alguns crimes a primeira é mais relevante, enquanto que para outros a segunda torna-se mais importante. No Brasil não há o que se discutir, ambas são absurdamente baixas tornando o crime compensador.

Segundo ele, a culpa coletiva desconhece a importância da lei moral e afirma que somos todos iguais. Não leva em conta que todos somos capazes de fazer o bem e o mal, e nossas escolhas guiam-se pelo livre arbítreo individual.

Ioro conclui o artigo afirmando que a culpa do crime não é do leitor e o presidente quando atribuiu o crime à necessidade de sobrevivência perdeu mais uma oportunidade de permanecer calado.

domingo, março 11, 2007

Melancia na cabeça?

Sabe aquela estória de colocar uma melancia na cabeça para aparecer? Bem melhor a "melancia" que a "modelo/atriz" (não sei porque mas todos os jornais utilizaram estas aspas...) Janaina Bueno utilizou na visita do presidente Bush. A moça acabou detida pela polícia por atentado ao pudor mas conseguiu o objetivo, os 15 minutos de fama e se credenciou para quem sabe participar do BBB8...


Em tempo: É lógico que Janaina não tem nem idéia do que estava protestando:"O que ele veio fazer aqui? É só mais um ladrão que passa por aqui sem trazer nada. Se bobear, ainda vem tirar".

Fora Bush

CPI do apagão

O editorial de hoje do JB trata de um assunto que vem sendo meio que ignorado pela grande imprensa brasileira: a manobra do governo para abafar a CPI do apagão.

A própria oposição se assustou com a reação governista. Oposição que diga-se de passagem tem muito pouco a ver com esta CPI, apesar de ter sido proposta dor um deputado do PSDB. Das 261 assinaturas, simplesmente 243 pertenciam à base de apoio do planalto.

Os parlamentares pretendem além de levantar as responsabilidades pela crise no setor, radiografar os problemas de segurança, defesa do consumidor e erros de companhias aéreas.
O JB levanta que o governo teme que a CPI chegue rapidamente a conclusão que a GOL e TAM juntas não dão conta do vazio deixado pela Varig, e com isso resolvam investigar a falência da empresa. E daí para os lobbies do processo final da ex-gigante brasileira é um pulo, o que provoca calafrios no planalto.

Do jeito que está a questão vai acabar no STF, que a exemplo da CPI dos bingos deve obrigar a Câmara a abrí-la.

A oposição que assiste meio distante o desenrolar dos acontecimentos começa a ficar mais curiosa.

Flamengo 2 x 1 Nova Iguaçu


Os jogadores do Flamengo B, comandado por Juninho entrou em campo contra o Nova Iguaçu para mostrar que podem jogar no time titular. O time venceu de virada por 2 x 1 com dois gols de Leonardo no segundo tempo, que mostrou que pode sim incomodar Souza e Roni. De resto, além do Juninho ninguém mais se destacou. Juan e Leonardo pode ficar tranquilos que os reservas estão vários níveis abaixo. Leonardo Salino, que vinha bem, fez sua pior exibição no Flamengo e acabou sendo substituído. Ficaram os 3 pontos e a esperança que nos jogos contra os pequenos alcancem a classificação para as semi-finais da Taça Rio. Afinal, o que vier é lucro.

sábado, março 10, 2007

Mais sobre acordo Brasil-EUA

Blod do Cláudio Humberto

O senador democrata Barack Obama, que disputa com a senadora e ex-primeira dama americana Hillary Clinton a indicação à presidência dos EUA, condenou o acordo de cooperação assinado ontem por Lula e George W. Bush, em São Paulo. "Ameaça nossa segurança energética, prejudica o nosso país substituir petróleo importado por etanol", advertiu em discurso no Senado, na véspera, o candidato Obama, estrela em ascensão na corrida presidencial americana. Disse ainda que "quem embora bem intencionado advoga substituir nossa produção de biocombustível pela importação de etanol brasileiro está não só confundindo o desafio de nossa segurança energética a longo prazo, mas também ignorando uma valiosa opção de polítca externa. Os EUA precisam expandir dramaticamente a produção doméstica industrial de combustível renovável e não aceitar um acordo de curto prazo que desencoraja investimentos na expansão interna deles (combustíveis renováveis)", acrescentou Obama, que poderá ser o primeiro presidente negro nos EUA.


Para aqueles que acham que um governo democrata é melhor para o Brasil...

Gov't Mule


O Gov't Mule surgiu em 1994 como um projeto paralelo de dois membros do Allman Brothers mas tomou vida própria. Apesar da influência dos Brothers adquiriu rapidamente sonoridade própria e estilo, resgatando o blues rock dos anos 70.

Em 1989 a reformulação do Allman Brothers acrescentou Warren Haynes na guitarra e Allen Woody no baixo. Compartilhando o amor pelos power trios como Cream, Hendrix e James Gang juntaram com o baterista Matt Abts e formaram o Gov't Mule lançando o primeiro disco, com o nome da banda, em 1995.

Como os Allman não tinham planos para lançar material novo os dois abandonaram a banda para dedicarem-se ao Gov't Mule e lançaram em 1998 mais um excelente trabalho: Dose.

Como toda banda Jam que se preze, o ambiente natural da banda era ao vivo. Os próprios discos em estúdio foram gravados com a banda tocando junta, com poucos acréscimos. Ao longo dos anos foram vários trabalhos em palcos como Live... With a Little Help From Our Friends.

Em 2000 gravavam o terceiro album, Life Before Insanity alcançando aclamação da crítica. Infelizmente meses depois Woody foi encontrado morto em um hotel de New York.

Haynes e Abts diminuiram o rítmo e o guitarrista voltou a tocar com o Allman Brothers. Mas em 2002 com a gravação de um Cd tributo com os baixistas favoritos de Woody que renderam o fabuloso The Deep End (Vol 1 e 2), voltaram aos trilhos.

Acrescentando o tecladista Danny Luis e o ex-baixista do Black Crowes Andy Hess gravaram Deja Voodoo em 2004 e High and Mighty em 2006.

Considero o Mule talvez a única banda surgida nas últimas 2 décadas que possa ser colocada no pantheon das grandes com Zeppelin, Purple, Cream e Who. Um resgate bem sucedido e com muito brilho a sonoridade do rock em sua época clássica e tocado com muita inspiração. A cada disco que escuto mais me apaixono por esta fantástica banda que efetivamente já pode ser considerada grande.

Visita do Bush

Os jornais brasileiros apresentam em primeira página que Bush se negou a baixar taxas para importação do álcool. Durante o encontro dos dois presidentes Lula reiterou o pedido e Bush negou.
Tratava-se, evidentemente, de demagogia pura.

Primeiro porque o Brasil consome praticamente toda sua produção. Não tem quase nada a ganhar com a redução destas taxas. Muito cuidado nesta hora para nosso produção não se transformar em exportadora e deixar o mercado interno à míngua.

Segundo porque ao contrário do que pensa o brasileiro comum, o poderoso presidente americano não dispõe de poder para baixar taxas. Qualquer que seja. Lá não existe medida provisória, a competência de legislar é exercida pelo Congresso que não abre mão de suas prerrogativas. Se fosse dominado pelos republicanos ainda haveria uma tênue chance de conseguir algo neste sentido, como a maioria é democrata, sem chance nenhuma. Os democratas são bem mais protecionistas do que os "malditos" republicanos.

Pelo que dizem as pessoas mais sérias a viagem foi altamente produtiva para o Brasil. O acordo de cooperação tecnológica é altamente positivo para nós e a entrada americana no jogo também. Existe um amplo espaço para investimentos para o futuro. Deve ser verdade, ainda mais que o nosso Ministro das Relações Exteriores anda quieto. E como se tivessem dito a ele: não abre a boca que agora é sério. Vê se não atrapalha!

Sobre a fala do presidente brasileiro acho de profundo mal gosto e ridículo. Tem gente que acha que não tem nada demais, que é um ato de "coragem" a forma que o molusco tem feito ultimamente para falar de sexo. Eu tenho ponto de vista diferente para este tipo de palavreado, que evito na frente dos meus filhos. Falar de sexo está a mil anos luz da baboseira que foi dita ontem.

E quanto ao Bush, também ficou ridícula sua visita a uma ONG e a tentativa de se mostrar preocupado com a pobreza. Não pega bem e não convence. Populismo rasteiro e muito mal feito. Fica bem melhor num Chávez, que não é para ser levado a sério, do que no presidente americano. Totalmente dispensável.