sexta-feira, março 09, 2007

Liberalismo e conservadorismo

Os socialistas costumam rotular todos que não comungam a mesma ideologia que eles de direta, como se sou houvesse dois pensamentos políticos no mundo. Nada mais falso pois esta direita se divide em dois grandes grupos que muitas vezes disputam entre si.

Em artigo publicado no JB de ontem o filósofo Olavo de Carvalho trata do tema e explica porque não é um liberal. Segundo ele, quando a direita ainda é incipiente, os dois grupos se misturam e se confundem. Mas não são de maneira nenhuma iguais, e com o tempo e amadurecimento apresentam suas diferenças.

Olavo afirma que "ou você gosta da liberdade de mercado porque ela promove o Estado de direito, ou gosta do Estado de direito porque ele promove a liberdade de mercado. No primeiro caso, você é um conservador; no segundo, é um liberal."

Pelo que entendi do seu artigo a questão fundamental é o limite para o livre comércio. Este limite não existe no liberalismo. Tudo é permito na livre negociação da entre duas partes, até a vida humana. Se um indivíduo deseja contratar alguém que o mate é seu direito. O mesmo vale para um bebê anencéfalo ou uma tia senil. Em resumo os liberais são a favor do aborto e a eutanásia.

Os conservadores consideram a vida humana intocável e não negociável. O filósofo defende que no conservadorismo é fortalecida a aplicação dos princípios morais tradicionais por meio da economia de mercado. É a "civilização judaico-cristã elevada à potência da grande economia capitalista consolidada em Estado de direito". Já o liberalismo dissolveria herança da civilização judaico-cristã no mercado, junto com o Estado de direito.

Se sou conservador ou liberal eu não sei. Só sei que estou por ali, em algum lugar entre os dois...

Nenhum comentário: