sábado, abril 21, 2007

Grandes Esperanças

Great Expectations, Charles Dickens (1860-1861)

Maravilhoso. Um grande romance de Charles Dickens que conta a estória de Pip, um garoto extremamente pobre que passa a dispor de uma grande soma de dinheiro. O livro trata do perigo de uma rápida ascensão social e a perda da moralidade no processo.

A narração de Dickens sobre a família de Pip é coisa de mestre. Não há como não sentir a pobreza e a privação que enfrentavam na Inglaterra vitoriana, pós revolução industrial. Pip era criada por uma violenta irmã e principalmente por seu marido Joe. Este é o retrato da moralidade e da bondade. A consciência do próprio menino que ao receber a "herança" passa a fugir para não pensar no destino que está dando a sua vida.

Outro grande personagem é Miss Havisham, uma senhora idosa que nunca superou ter sido abandonada às vésperas do casamento. Como vingança cria uma filha adotiva desprovida de sentimentos de amor, cujo papel é ser bela e intocável. Pois Pip se apaixona pela menina e passa a considerar sua humilde vida um estorvo.

A segunda parte do livro conta a saga de Pip em Londres tornando-se um cavalheiro. Dispondo de recursos através de um advogado, Mr Jaggers, o antes trabalhador aprendiz de ferreiro torna-se um retrato social da elite britânica. Sem trabalhar, apenas gasta os recursos que possui e incorpora os valores da nova classe, a ponto de desprezar o velho amigo Joe.

Um dia Pip recebe a visita de seu misterioso benfeitor. E este acontecimento revira sua vida iniciando a última parte do livro. Não era, como imaginava, Miss Havisham, mas sim um condenado degredado para Austrália que Pip tinha ajudado na infância. O jovem fica horrorizado com a origem de sua herança e passa a hostilizar seu benfeitor. No entanto a lealdade e dedicação deste homem consegue quebrar o muro que Pip tinha construído, iniciando o penoso processo de reconciliação dele com sua consciência (Joe) e com a pobreza.

Pois esta última parte é emocionante. Não só pela junção de uma série de personagens e acontecimentos dispersos pelo texto como pelo arrependimento sincero de Pip. Realmente uma obra que merece o rótulo de clássico. Nota 9.

Nenhum comentário: