sexta-feira, outubro 19, 2007

O Cão Amarelo


Título Original: Le Chien Jaune (1931)
Autor: Georges Simenon

__ Suponho, comissário, que o senhor se dá conta da gravidade do...
__ É meu ofício, senhor prefeito...
__ É tudo o que o senhor consegue, depois do que se passou, é deter um dos meus amigos... dos meus camaradas, mais exatamente... enfim, um dos notáveis de Concarneau, um homem que...
__ O senhor tem uma prisão confortável?...


Gosto de variar bastante o estilo de leitura. Depois de alguns livros mais sérios, um romance mais leve, um policial, cai sempre bem. Tem horas que é preciso dar um descanso para a mente.

É o caso deste livro de Simenon, retratando mais uma vez sua maior criação, o comissário Maigret.

Desta vez o detetive vai investigar uma série de tentativas de homicídio, um deles bem sucedido, que acontecem em uma pequena aldeia francesa, Concarneau. Um cão amarelo aparece em atitude sinistra nos acontecimentos.

Quem espera um detetive ativo, correndo atrás das pistas ou fazendo deduções brilhantes pode esquecer. Maigret é acima de tudo um homem comum; sua qualidade é compreender a natureza das pessoas e seus pequenos dramas.

É o que acontece neste romance. A participação do comissário é praticamente nula em boa parte da obra, a ponto de deixar o prefeito da cidade desesperado por uma ação mais enérgica que deixe a população mais tranqüila. Papel este que Maigret recusa com indiferença.

No fim percebe-se que existe um os crimes são uma conseqüência, uma pequena visão, de um drama humano que se desenvolve. Quando Maigret apresenta sua solução, não existe nada de extraordinário, apenas as fraquezas humanas e suas esperanças. Nota 7,5.

Nenhum comentário: