sábado, novembro 10, 2007

Última reunião da turma do mestrado


Nossas super-poderosas



poderosos?



Já fica as saudades...



Lembranças sendo construídas.


Provavelmente foi a última reunião de nossa turma de mestrado. Estamos chegando ao fim do curso, algumas defesas já estão marcadas, algumas dissertações estão prontas ou nos finalmentes. É um período que termina para todos nós.

Dois anos se passaram desde o dia, em que nos reunimos em uma sala de aula, éramos então mais de vinte, e nos vimos pela primeira vez. Naquela ocasião éramos praticamente estranhos uns aos outros. Nos apresentamos, dissemos nossas origens e nossas expectativas. Diferentes formações profissionais, diferentes estados, e, sobretudo, diferentes personalidades.

Logo nosso grupo se reduziu aos 13 que efetivamente chegam agora ao final. Aprendemos muito, academicamente também, mas acho que a vivência foi nossa maior aprendizagem. Tivemos nossas alegrias, nossos pequenos atritos, nossas conquistas.

Todo grupo humano é uma experiência fascinante. É natural que no início sejamos todos simpáticos uns aos outros. Com o tempo percebemos que temos mais afinidades com uns, menos com outros, muitas vezes de forma improvável. Descobrimos que nossos prejulgamentos por vezes são corretos, outras totalmente incorretos. É da vida, assim vamos evoluindo.

Ano que vem retornaremos nossas caminhadas pessoais. Algumas ligações foram feitas dentro do grupo, algumas sólidas amizades, mas o grupo como um todo ficará como uma passado a ser sempre lembrado. Toda convivência deixa marcas, não somos mais os mesmos que começamos, mas também não somos outras pessoas; apenas diferentes, amadurecidos.

Que não esqueçamos as importantes lições que tivemos, de nossos mestres, e de nós mesmos. Que tenhamos força de vontade de seguir nossas consciências, nem sempre é fácil. E, finalmente, que sejamos felizes!

Um comentário:

MARCELO VALE disse...

Caro Guerson, suas palavras expressam o que cada um de nós, acreditou eu, gostaria dizer nesta hora!!!

Show de bola!!!

Abraços,

Marcelo