terça-feira, maio 20, 2008

Esquecido

Oh, minha amada! Por que estás tão distante?
Por que não consigo alcançá-la? Por mais que tente
por meus pensamentos que te perdem, carente,
de você que não fui nem amante.

Se te magoei, saiba que magoei a mim mesmo
a cada palavra que proferi descuidado
a cada gesto infeliz deste amado
que naufragou por estes mares a esmo.

De ser amante fugi covarde
fingindo equilíbrio inexistente
e sentimentos escondi sem alarde.

De ti desejei em vão ser querido
agora vivo solitária vida nova onde
é justo padecer por ti esquecido.

Heleno Marques

Nenhum comentário: