quarta-feira, julho 09, 2008

Lendo Romeu e Julieta

Oh! é admirável a potente graça que há nas ervas, na flor, na pedra crassa, pois até mesmo o que há de vil na terra algo de bom, influência dela, encerra: nem nada bom existe, que , torcido do uso normal, não se revele infido à própria natureza e nascimento. Até mesmo a alta virtude, num momento, mal aplicada, em vício se transforma, e este, por vezes, ao dever dá a norma.


Este trecho faz parte do monólogo do Frei Lawrence e trata de como o bem e o mal podem, por vezes, andarem próximos. Não estamos imunes à queda, por mais que sejamos virtuosos, pois em um momento podemos transformar a virtude em um vício e alterar nossa percepção das coisas. Por isso vemos pessoas que nos parecem tão superiores, tão bem resolvidas, de uma hora para outra tomar atitudes verdadeiramente espantosas.

Este Shakespeare sabia das coisas.

Um comentário:

Anônimo disse...

Não estamos imunes à queda, por mais que sejamos virtuosos....