sexta-feira, julho 11, 2008

Romeo and Juliet

Não foi sem dificuldades que encarei Romeu e Julieta no original em inglês. Fazia tempo que não lia neste idioma, ainda mais um texto de Shakespeare. Segui um processo, baixei uma tradução no palm; lia o original de noite e no dia seguinte a tradução e depois voltava e lia novamente em inglês.

É uma obra para lá de conhecida e discutida, não tenho muito a acrescentar que não seja minha impressão.

No início foi difícil acompanhar os diálogos de Shakespeare, faltava-me o costume. Depois de algumas páginas a estória começa a fluir e consegui entrar no universo criado pelo autor. É realmente fascinante. Você quase começa a pensar nos moldes dos diálogos.

A lição que Capuleto e Montague recebem pelo ódio que durante a vida semearam um com o outro é dura e mostra o quanto podemos nos perder em nossas inimizades. Em seu primeiro monólogo, o frei Lawrence resume o tema central da tragédia:


"For naught so vile that on the earth doth live,
But to the earth some special good doth give;
Nor aught so good, but strained from that fair use,
Revolts from true birth, stumbling on abuse.
Virtue itself turns vice being misapplied,
And vice sometime's by action dignified."
William Shakespeare

"Pois nada tão vil na Terra habita,que à Terra um bem valioso não ofereça;
Nem nada tão bom, que desviado de seu propósito,
Deixando sua origem verdadeira, não caia no abuso.
A virtude mesmo torna-se vício quando mal aplicada,
E o vício por vezes pela ação torna-se digno."
Do ódio entre Capuleto e Montague nasceu o amor entre Romeu e Juleta, que por sua vez originou mortes e dois suicídios, que transformaram-se no perdão mútuo entre os dois senhores. De algo de ruim brotou algo de bom, primeiro o amor entre dois jovens, depois a conciliação entre dois rivais.

Mostra também um tema que nunca perdeu a atualidade, a falta de compreensão e entendimento do que se passa no coração das pessoas, da falta de diálogo entre pais e filhos. Quantas tragédias não aconteceram pelo isolamento de pais e filhos?

O bardo sabia das coisas.

Nenhum comentário: