quarta-feira, outubro 29, 2008

Contos de Machado de Assis - Vol II

Organizado por J. C. C. Rocha
Editora Record

Um dos romances mais marcantes da carreira de Machado foi Dom Casmurro. Mais do que o adultério em si, a estória de Bentinho mostrava a força arrasadora do ciúme. Nestes contos, em ordem cronológica, podemos observar fragmentos do pensamento do grande escritor que culminaria na sua grande obra sobre o assunto.

Machado explora várias situações em que o ciúme está presente. Para ele, o ciúme implica em dúvida, em não saber se há a traição ou não. Quando a dúvida se torna certeza, deixa de existir o ciúme e passa a existir a dúvida do que fazer.

Pode-se optar pelo perdão e o esquecimento, como fez Ernesto no conto Ernesto de Tal. Disputando a mulher amada com um rival, acaba descobrindo que ambos estão sendo enganados por ela. Rompem. Depois perdoa-a e ganha seu amor.

Como na volta do filho pródigo, as duas almas festejaram aquela renascença da felicidade e amaram-se com mais força que nunca.


Sempre existe a hipótese da solução drástica descrita em A Cartomante.

Vilela não lhe respondeu: tinha as feições decompostas; fez-lhe sinal, e foram para uma saleta interior. Entrando, Camilo não pode sufocar um grito de terror: __ ao fundo sobre o canapé, estava Rita morta e ensanguentada. Vilela pegou-o pela gola, e, com dois tiros de revólver, estirou-o morto no chão.


Mas é no trato do ciúme que reconhecemos o autor de Dom Casmurro. Mais do que deixar o personagem na dúvida sobre a traição, Machado transfere esta dúvida ao próprio leitor que termina perplexo sem saber o que de fato aconteceu. Estava plantada aí a semente da temática machadiana.

A própria sedução por vezes se torna dúbia. Teria D Conceição seduzido o jovem Nogueira em Missa de Galo? Por vezes parece que sim, por vezes não. Seria apenas uma senhora entediada pelo marido que a traía abertamente ou uma mulher querendo desfrutar da tensão do jovem? O conto, e o livro, termina não com a dúvida sobre o passado, mas com a dúvida do que poderia ter sido.

Quando tornei ao Rio de Janeiro em março, o escrivão tinha morrido de apoplexia. Conceição morava no Engenho ovo, mas nem a visitei nem a encontrei. Ouvi mais tarde que casara com o escrevente juramentado do marido.




A coletânea é mais uma amostra da genialidade de Machado e sua sensibilidade em retratar o homem e sua natureza.

Nenhum comentário: