segunda-feira, novembro 24, 2008

Manifesto do Partido Comunista

A história de todas as sociedades que existiram até hoje é a história de lutas de classes.


Assim Karl Marx e Friedrich Engels iniciam o Manifesto do Partido Comunista, um dos textos mais importantes da política moderna. Basta constatar que menos de um século depois de publicarem o Manifesto, mais de um terço da humanidade estava vivendo segundo as idéias formuladas por Marx.

O Manifesto é um chamado aos trabalhadores de todo o mundo para que se organizem dentro da estrutura comunista para se preparar para o acontecimento que considerava inevitável: o fim do capitalismo. Marx e Engels inauguraram uma doutrina que ficaria conhecida como materialismo histórico e teria influência sobre todos os povos do planeta.

Trata-se de um livro de dois jovens alemães que sonhavam em transformar o mundo. Criticavam a filosofia por se contentar em interpretar a realidade quando na verdade deveriam transformá-la em um ideal, que identificavam na sociedade sem classes.

No primeiro capítulo, os autores tratam da grande divisão da sociedade da época em que viviam, a burguesia e o proletariado. Para eles, estavam vivendo a época da burguesia, que seria o produto de um longo desenvolvimento social da humanidade. A burguesia moderna estaria para ser suplantada, derrotada pelo próprio motor que a criou, o capitalismo.

Marx já esboçava sua idéia que desenvolveria no Capital segundo a qual o valor de um produto seria dado pelo trabalho realizado para produzi-lo. A diferença entre o valor de venda e o valor do trabalho seria a expropriação indevida, a exploração do trabalhador. A propriedade privada seria uma lei anti-natural, que afastava os homens uns dos outros e impediria que vivessem em harmonia. O mundo só poderia ser justo com o fim não só da posse, mas da própria estrutura capitalista.

Para Marx, o próprio capitalismo destruiria a burguesia:

A burguesia produz, acima de tudo, seus próprios coveiros. Seu declínio e a vitória do proletariado são igualmente inevitáveis.


O capítulo dois trata da relação dos comunistas com o proletariado. Para Marx e Engels, o partido comunista era a própria essência do operariado. O objetivo do partido comunista seria a constituição do proletariado em classe, derrubada da dominação da burguesia, conquista do poder político do proletariado.


O terceiro capítulo é dedicado à crítica dos demais movimentos socialistas. Marx e Engels acreditavam que o verdadeiro movimento socialista só poderia existir como representação do porte proletariado. Atacava, em especial, o socialismo defendido pela pequena burguesia, que estaria interessada apenas em remediar os males sociais e conservar a estrutura burguesa.

No último capítulo, Marx trata da posição do partido comunista diante dos demais partidos de oposição. A posição é bem clara:

Declaram abertamente (os comunistas) que seus objetivos só podem ser alcançados pela derrubada violenta de toda a ordem social até aqui existente. Que as classes dominantes tremam diante de uma revolução comunista. Os preletários nada têm a perder nela a não ser suas cadeias. Têm um mundo a ganhar. Proletários de todos os países, uni-vos!


No Manifesto do Partido Comunista já é possível observar a violência do discurso de Marx e sua obsessão pela destruição da burguesia. Não pode ser surpresa que onde a revolução aconteceu o resultado tenha sido uma carnificina. A ideologia criada por Marx era e expressão do ódio entre seres humanos. Não havia conciliação possível, a sociedade deveria ser transformada pela força.

Nenhum comentário: