segunda-feira, dezembro 22, 2008

Nem papai noel escapou...

Um estranho silêncio toma conta dos ambientalistas defensores do armagedon em todo o globo. Como sabem, basta um verão mais quente para provar a tese do aquecimento global e mais ainda, que o serúmanu é o causador de tudo.

O que não entendo nesta lógica toda é porque um verão quente prova o aquecimento e um inverno frio não prova nada. Tem neve e frio recorde para tudo que é canto e o silêncio é absoluto.

No meio disso tudo eu me deparei com o vídeo de natal do greenpeace. Vendo essa peça de extremo mal gosto eu começo a entender porque nunca levei fé nesta turma. Nesta estória toda de ambientalismo eu vejo uns poucos ganhando muito dinheiro em cima de muitos e a coisa toda transformou-se em uma nova seita, mais uma religião moderna.



----------------
Now playing: Motorhead - Trigger
via FoxyTunes

9 comentários:

Alexandra disse...

Os resultados do aquecimento global são bem óbvios aqui perto do polo norte...

Eu faço o que eu posso pra reduzir meu impacto no meio ambiente - reciclo, tento desperdiçar menos, compro frutas e verduras locais e orgânicas, caminho, ando de bicicleta ou uso transporte público. O estilo de vida norte-americano, infelizmente, é o mais destrutivo. Enquanto que a média global da "pegada ecológica", ou seja a area necessária pra produzir o que consumimos e absorver o que jogamos fora, de cada indivíduo do planeta é 2.2 hectares, nos EUA esse numero é 9.6 hectares e no Canada 7.6. O Brasil está em 2.0. A Europa, que está muito a frente em termos de programas e políticas ecológicas, está em 4.8.

Por mais que tentemos nos enganar, somos animais biológicos que dependemos do mundo natural para a a nossa saúde, bem-estar e prosperidade. Todos precisamos respirar, comer e beber e sem agua e ar limpos e a habilidade de produzir nossa comida, estamos lascados.

Sugiro que vc leia alguns dos livros do David Suzuki. Ele é formidável.

Alexandra disse...

Ah, e outra coisa, aquecimento global não quer dizer somente que a temperatura está subindo (ou seja - o verão é mais quente e o inverno mais frio) e sim que o clima em geral está mudando. Um verão frio também pode ser sinal de mudança climática...

Não discordo que algumas ambientalistas sejam radicais mas muitas das mulheres que começaram a luta pelos direitos iguais também o eram. Isso não invalida a questão principal que é a nossa sobrevivência e qualidade de vida. Por ter filhos, vc deveria se preocupar com isso mais do que eu...

Marcos Guerson Jr disse...

1. Considerando que existem muitos cientistas que não acreditam no aquecimento global talvez não seja tão óbvio assim. Ou será que todos estão conspirando para destruir o planeta?

2. Mesmo que a Terra esteja aquecendo, será que o causador é o homem? Há evidências que o planeta já passou por outros períodos de aquecimento no passado. Mesmo na época dos dinossauros.

3. Cuidado com os argumentos que usa. Esse "Por ter filhos... " é para encerrar discussão. Implica que eu não acreditar no aquecimento, conforme está sendo descrito pelos ambientalistas, é o mesmo que ser contra os meus filhos. Acredito que posso ser crédulo em relação ao aquecimento e mesmo assim amar meus filhos, ou não?

4. Veja que não nego o aquecimento, apenas não estou convencido que ele existe, o que é muito diferente. O que observo nessa discussão é que existem evidências tanto do aquecimento quanto de que ele não acontece. Muitos cientistas escolheram os que os convém, e estão sendo generosamente recompensados com isso através de bilionárias verbas para pesquisa.

5.Com o fim do socialismo real, muitos dos seus orfãos encontraram no ambientalismo uma forma de atacar o odiado capitalismo. Para muitos o ambientalismo é apenas uma bandeira para lutar contra o livre comércio.

6. Não conseguimos prever com antecedência ainda o clima na Antártida com antecedência de algumas horas... mas conseguimos prever os próximos milênios?

7. Quantas vezes os cientistas já erraram em suas previsões? O que um cientista chama de verdade pode ser apenas uma teoria de acordo com os dados que dispõe. Não existe essa coisa de verdade científica. Existe verdade, o que é muito diferente.

Alexandra disse...

1. Essa percepção é culpa da mídia que coloca meia dúzia de céticos financiados pela indústria que tem mais a perder com campanhas contra a mudança climática - como a industria do petroleo - em par de igualdade com 99% dos cientistas do mundo todo. Esse lobby, financiado por bilhões de dólares tem sido extremamente bem-sucedido em criar dúvidas da cabeça das pessoas. Por mais certeza que tenhamos sobre um fato, sempre se pode achar alguém preparado a argumentar o contrário. Afinal, se existem pessoas, com doutorados e tudo, que pregam que o holocausto não aconteceu e que a baixa idade medieval (early middle ages) não existiu, não é difícil encontrar alguém que diga que o aquecimento global é bogagem.

2. E mesmo que houvesse dúvidas de que a Terra está realmente aquecendo, não há a menor dúvida de que a poluição que causamos pela emissão de gases afeta diretamente a nossa saúde. Somente no Canadá, 16 mil pessoas morrem todos os anos devido a doenças causadas pela poluição. Milhares de outras pessoas não morrem mas sofrem de doenças crônicas que diminuem sua produtividade e qualidade de vida.


Por fim, se estão ou não errados, se existe ou não um ambientalismo que substituiu o socialismo, nada disso é tão relevante quanto o fato de que não há um único bom argumento contra a idéia de que necessitamos de água, comida e energia limpas para termos uma vida saudável e produtiva.

é um win-win situation, como dizem por aqui. O investimento em energia limpa e renovável só tem bônus. Se por um milagre a crise da mudança climática passar ou todos os cientistas estiverem errados, nossas casas e comercios serão mais eficientes e nosso meio-ambiente será mais limpo. Nesse ponto, o combate a poluição e depredação independe da mudança climática.

Realmente, o mundo passou por várias mudanças climáticas, algumas catastróficas e outras nem tanto. Mas assim como os dinossauros, por estarmos no topo da cadeia alimentar, somos os animais mais vulneráveis a mudanças no meio ambiente e no clima. Nós dependemos de tudo aquilo que está abaixo de nós. Não há como colocar de outra forma - ser "contra" o meio ambiente é ser contra sua própria vida e seu futuro.

Marcos Guerson Jr disse...

Cuidado com os exageros. Não são 1% dos cientistas que se posicionam céticos em relação ao aquecimento global, é bem mais do que isso. Quer dizer que não há como duvidar de uma teoria científica sem estar financiado por algum interesse escuso? Quer dizer que todo cientista que duvida do aquecimento global está recebendo dinheiro para isso?

Posso inverter a questão também. Quantos cientistas não estão recebendo muito dinheiro para advogar o aquecimento global? Quantos não estão sendo financiados por fundações bilionárias? Ou por ONGs bilionárias?

Cientistas erram, e muito. A história está cheia de exemplos. Não faz muito tempo a comunidade científica tinha em consenso uma nova era glacial surgindo.O que estou tentando apontar é que há espaço para dúvidas, o que é sempre bom para o desenvolvimento científico.

Tem toda razão sobre a questão da poluição. Não estou aqui defendendo que a humanidade tenha opções melhores em termos de produção econômica, que agrida menos o meio ambiente. Apenas que não se deve criar um armagedon para tanto. É possível desenvolver uma consciência de preservação sem apelar para o apocalipse.

Quanto ao win win, como diz, não é bem assim. Tudo tem um custo. Cada programa ecológico tem um custo para a sociedade. Sobre os poderosos lobbies da indústria, a questão não é tão simples assim. Um industrial vai simplesmente repassar ao consumidor um preço maior pela energia mais limpa que usa.

Entramos em um problema econômico agora. Como pode um empresário americano repassar este preço ao consumidor se o mercado está sendo invadido por produtos chineses oriundos de um país onde não existe nenhuma lei de proteção do meio ambiente?

Em um mundo ideal, onde não existisse este negócio de custo, a energia limpa seria perfeita. Mas não vivemos neste mundo, a sociedade tem que fazer suas escolhas e arcar com os custos delas.

Até que ponto a sociedade está realmente fazendo escolhas? Até que ponto ela tem a informação do que está em jogo quando defende a substituição do petróleo pela energia solar? Não há outras alternativas?

No meio disso tudo vejo um patrulha ideológica. Não se pode ter uma opinião divergente da doxa ambientalista que já é logo massacrado em praça pública. Não acredito em coisas que devem ser impostos pela força e pela argumentação radical. Aprendi isto estudando as ideologias modernas.

O ambientalismo pode ser mais uma delas.

Alexandra disse...

pois a ideologia moderna só chega até certo ponto. Nem tudo se resume a idéias. Nós vemos na Europa como países industrializados puderam fazer essa opção e seus membros só tiveram a ganhar. A Alemanha é o terceiro pais mais industrializado do mundo e líder em energia renovável. A Dinamarca na década de 70 era totalmente dependende do petroleo mas devido a crise do petroleo resolveu ser menos dependente e em 20 anos 90% de sua energia é agora produzida por energia renovável (sol e vento) sem custo adicional. Aliás, o investimento nesse tipo de energia gerou mais empregos e aumentou a economia. Na Dinamarca um fazendeiro pode investir em um moinho de vento pra gerar energia pra sua fazenda e esse moinho se paga em 5 anos... então a economia não é um bom argumento.

sobre os cientistas... bom, eles tambem dizem que o cigarro não causa câncer

Marcos Guerson Jr disse...

Matriz Energética da Alemanha(2005)
1. Petróleo - 36%
2. Gás Natural - 22,7%
3. Carvão Mineral - 12,9%
4. Energia Nuclear - 12,5%
5. Carvão Fóssil - 11,2%
6. Energias Renováveis - 4,6%

(Fonte: http://www.dw-world.de/dw/article/0,2144,1952881,00.html)

A dinamarca é o quinto produtor mundial de energia eólica e realmente o primeiro em termos proporcionais. Mas este número está longe dos 90% que você citou; gira em torno de 20% segundo este site ambientalista http://www.ambbrasilia.um.dk/br/servicemenu/Noticias/EnergiaElicaRankingMundialDeProduo.htm.
Outros sites apresentam este número como 15%.

Mesmo para conseguir este número notável, e é, a Dinamarca investiu pesadamente ao longo de algumas décadas. Não existe essa de sem custos adicionais, a questão é ainda econômica. Diante da alta do petróleo, muitos países correram para as alternativas. Com o preço em queda, voltam a usar o petróleo. Existe sim toda uma questão econômica envolvida.

Sobre cientistas, acho que é evidente que eles erram, não é? Principalmente porque, em geral, são extremamente vaidosos, o que é um perigo danado na hora de buscar a verdade. Será que não podem ser os que defendem o aquecimento global os que estão errados?

A ideologia moderna é extremamente perigosa, nunca a menospreze! É o grande mal da humanidade nos últimos séculos e está longe de terminar.

Alexandra disse...

Realmente, o objetivo da Dinamarca é atingir 30% de energia renovável até 2030. Os quase 90% é da provincia de Jutland.

Quanto a alemanha, o país é considerado líder em energia renovável. Nos últimos anos o país tem dado subsídio para quem adota energia renovável e o plano tem sido bem sucedido . Desde 1991 o país atingiu 8.4% de consumo de energia renovável e 14% de eletricidade renovável, o que quer dizer que o país já atingiu o objetivo de 12% até 2010 afirmado pela Uniao Europeia. Desde entao 250,000 empregos foram criados nesse mercado de energia renovavel.

Nós notamos a diferença na Europa. Por todo lugar que íamos (principalmente na Espanha) havia moinhos de vento por todo lado. Quando estávamos lá, passaram uma lei determinando que todos os prédios novos deveriam ser contruídos com paineis solares.

E sobre o custo e a economia, o meio-ambiente é intrinsicamente relacionado a economia. Por exemplo, a industrialização massiva da industria alimentícia baseada na optimização do lucro através da produção massiva e da manipulação dos alimentos, o uso de pesticidas, monoculturas, a alteração da alimentação e uso de hormônios em animais para reduzir o tempo de engorda, etc levaram a um barateamente do alimento em geral. Isso é ótimo. Mas há um custo associado a esse alimento mais barato. Há cinquenta anos atrás o americano médio gastava 18% do seu salário em comida e 8% em gastos médicos. Hoje ele gasta 8% em alimentos e uns 20-25% em gastos médicos. O barato sai caro.

É verdade que alguns tipos de energias limpas tem um custo inicial e é aí que o governo pode desempenhar um papel fundamental - como foi feito na Alemanha, Dinamarca, Espanha e França - subsidiando o estabelecimento desse tipo de energia. Mas se isso leva a uma diminuição da poluição, economizamos com gastos associados a saúde, por exemplo. E uma vez criada a infraestrutura, ela não é mais cara do que a infraestrutura para a exploração do petroleo ou carvão. Outro benefício é que não é energia que tem que ser importada, é energia gerada localmente e que repercute na economia local gerando empregos.

Para saber mais sobre esses programas europeos, dê uma olhada em
http://www.cbc.ca/documentaries/natureofthings/2008/suzukidiaries/

quando ao fato da evolução climática ser óbvia ou não, ela é realmente óbvia aqui no hemisfério norte, principlamente em países tão ao norte quanto o canada. Nos 9 anos que estou aqui já pude notar uma diferença drástica não só em relação ao clima como também a fauna e flora. A migração dos passaros foi alterada, areas consideradas permafrost, ou seja, permanentemente congeladas já não o são, o inverno já é bem diferente do que era. É claro que o Alan vê uma diferença ainda maior do que eu vejo pq ele pode comparar com o que era há 30, 40, 50 anos. Mas mesmo em 9 anos eu vejo uma diferença. É por isso que no Canadá não há como negar e mesmo os mais céticos não têm como duvidar da ciência. É como provar que canja de galinha faz bem para resfriados. é coisa que para muita gente já é realidade há muito tempo.

Marcos Guerson Jr disse...

Não nego as variações climáticas, a questão é que elas sempre existiram. No período neotérmico (10 a 12 mil anos atrás) a Terra se aqueceu 3 a 4 graus e sem qualquer ação humana. O que acho questionável é até que ponto o homem está por trás deste aquecimento.

Sou favorável à pesquisa em energias renováveis e acho que efetivamente este será o futuro. O que defendo é que os custos fiquem bem claros para a sociedade e que seja feita esta opção de olhos abertos e sem radicalismos. O movimento ambientalista hoje se apresenta como uma espécie de religião formada por crentes radicais indispostos ao diálogo e que acham que possuem a verdade para a salvação da humanidade.

Quanto à comparação econômica isso sempre dependerá da variação do preço do petróleo. Não existe um gênio malígno nos empurrando petróleo para destruir a Terra. Empresários sempre correm para onde é economicamente mais viável. Governos interferem, entre outros motivos, pela questão estratégica.Como você mesmo disse, a Dinamarca desenvolveu seu programa de energia alternativa para não depender do petróleo do Oriente Médio. Mesmo assim, depois de todo este tempo, não conseguiu mais de 20% de energia renovável. Quer dizer que é impossível? Não necessariamente. Apenas que existe um esforço considerável a ser feito e que soluções não acontecem como passe de mágica. E estamos falando de uma país pequeno como a Dinamarca, de população reduzida. A coisa muda totalmente de figura quando entra no jogo gigantes como os Estados Unidos, Rússia e China.

Aliás, os ambientalistas deveriam estar muito mais preocupados com este último. O ritmo é de crescimento acelerado, sem a menor preocupação ecológica. Mais ainda, pelo protocolo de Kyoto, a China está desobrigada de qualquer meta. Este é o principal motivo para os Estados Unidos não terem assinado o protocolo. Trata-se de uma proteção econômica contra a concorrência desigual.

Por mais que tente negar, parece-me evidente que a questão ambiental foi tomada por uma guerra ideológica. O objetivo é atacar não só o capitalismo mas o próprio Ocidente. Só para ter uma idéia, o Movimento do Sem Terra no Brasil, que promove extensas queimadas, aliou-se a uma ONG ambientalista italiana. O que possuem em comum? Apenas o ódio ao sistema capitalista.