domingo, dezembro 28, 2008

Provavelmente porque o ser...

Provavelmente porque o ser se intranqüiliza
de já não ser o que ia sendo; intensamente,
porque as fogueiras de um martírio impenitente
são seus triunfos, seus troféus cheios de cinza;

e finalmente porque tudo o que agoniza
quer promulgar, solenizar o impermanente,
o coração, naquele fundo ambivalente
da coisa humana, momentâneo como a brisa,

mas persuadido de que as músicas da mente
hão de reter do ser algo mais que uma soma,
o coração vive das sombras de um aroma.

Só muito raramente esse iludido sente
a força de acordar antes que a luz cadente
o deixe louco como à mosca na redoma.

Bruno Tolentino


Minha Interpretação

Comecei minha segunda leitura de A Imitação do Amanhecer de Bruno Tolentino. Este é primeiro poema do livro, faz parte da primeira parte (são três) chamada As Epifanias.

Epifanias significa aparição ou manifestação divina. Também pode significar a súbita apreensão de uma realidade, a compreensão da essência de algo.

Os dois primeiros versos podem significar a queda de um homem, a sua incursão no pecado, o ser se intranqüiliza de já não ser o que ia sendo. O homem que se afasta da virtude.

Este homem tem a consciência de seu erro, mas insiste em sua ação, no seu martírio impenitente. Sua vaidade foi despertada, se vangloria de seus atos, dos seus troféus cheios de cinza.

Quer perpetuar ao máximo este instante, mas sabe que é momentâneo, que um dia vai acabar. Uma voz em sua mente tenta justificar seu ato, tenta relativar sua escolha. Mas tudo isso é irreal, é uma fuga do dever, o coração vive das sombras de um aroma.

Este homem iludido muito raramente desperta a tempo de retomar seu caminho, só acorda quando a situação foge de seu controle e seus atos tiveram conseqüência. Antes que a luz cadente o deixe louco como à mosca na redoma.

Quando li este poema, eu pensei em um homem que cai no pecado do adultério. Muitas vezes é um homem que foi fiel por muito tempo, mas em certo momento deixa de ser o que ia sendo e entrega-se ao prazer. Sabe que está errado, mas se ilude tentando prolongar este instante, se vangloria de seu troféu cheio de cinzas. Tenta justificar-se, procura na mente uma falsa moral que acalme sua própria consciência. Será que conseguirá parar antes que cause um mal, antes que a luz cadente o deixe louco como uma mosca na redoma?

----------------
Now playing: Os Paralamas Do Sucesso - A Novidade
via FoxyTunes

Nenhum comentário: