segunda-feira, março 02, 2009

Guilty - Ann Coulter

Ann Coulter é uma jóia rara. Não só defende os valores conservadores com tenacidade, como o faz com extremo bom humor, expondo as contradições dos liberais americanos que a grande mídia faz questão de esconder.

Guilty, seu mais recente livro, é uma amostra. A tese central do livro é a prática dos liberais, e esquerdistas em geral, de assumir a condição de vítimas dos mais variados complôs quando na verdade são os verdadeiros culpados das práticas que denunciam. Como Coulter mostra muito bem, existe sim um complô, mas realizado pela esquerda americana.

Alguns pontos levantados por Coulter:

  1. Liberais tendem a bradar a condição de vítimas para esconder as próprias práticas. Ela mostra com abundância de dados __ a autora referencia tudo que diz __ que a grande imprensa americana tornou-se uma espécie de porta voz do partido democrata e dos liberais, fazendo para eles o trabalho sujo.
  2. As mães solteiras são cantadas por toda América como heroínas, o que Hollywood evidencia muito bem. Coulter coloca o dedo na ferida ao mostrar que mãe solteira possui muito mais dificuldade em criar um filho honesto do que uma família constituída. Sim, existem dados que apontam nesta direção.
  3. O propenção dos liberais em falar o tempo todo da máquina de destruir reputações dos republicanos. Se existe uma máquina, ela é inteira liberal. Entros os vários exemplos apontados destaca-se o papel vexaminoso da grande mídia em destruir Sarah Palin.
  4. A distorção do ensino da história nas escolas públicas que colocam sempre os presidentes democratas como os maiores de todos, embora tenham feito governos com explosão de desemprego e baixo crescimento econômico.
  5. A necessidade dos liberais em terem 100% de aprovação e suporte da mídia. Aqui Coulter denuncia como a Fox News é combatida por tentar furar este bloqueio da esquerda.
  6. Como os liberais são sempre retratados como bravos e bonitos. O papel de Hollywood é explorado aqui, sempre glorificando a esquerda. Mostra com dados a exposição que um artista recebe automaticamente sempre que critica um conservador, principalmente se for presidente.
Coulter escreveu seu livro durante o período das últimas eleições e evidencia como a grande mídia trabalhou para eleger Barack Obama (aquele que não pode ter o nome do meio escrito ou falado), inclusive contribuindo para derrubar um outro liberal (H. Clinton). As perguntas feitas nas entrevistas dos grandes jornais e emissoras mostraram a nítida fascinação pelo candidato enquanto que a dupla McCain-Palin era metralhada pela mídia "isenta".

Se é triste ver a que ponto os formadores de opinião chegaram nos Estados Unidos para promover a agenda liberal, fica a inveja de ver que lá existe gente, como Coulter, que defende os valores conservadores com o peito aberto, inclusive contra os próprios conservadores, como mostra suas críticas a McCain.

----------------
Now playing: Pink Floyd - 06 - Us And Them
via FoxyTunes

5 comentários:

Alexandra disse...

Eu não acho que a mãe solteira seja idealizada como heroína por essas partes. O que existe é o reconhecimento que criar um filho sozinha é *muito* difícil, tanto financeiramente como fisicamente. E quem consegue, merece um tapinha nas costas e um parabéns. É bom lembrar que aqui, salvo raras exceções, não é como no Brasil onde a mãe solteira geralmente vive com os pais e portanto tem toda uma estrutura familiar. Aqui a mulher tem que trabalhar e criar o filho sozinha mesmo. Qualquer liberal concorda com a Coulter que a mãe solteira possui muito mais dificuldade em criar um filho do que uma família. É daí que vem a imagem single mom = hardworking, strained parent. Não entendo qual é o problema dela. Me parece que é ela que está vendo um complô onde não existe.

Eu vi uma entrevista com essa mulher na TV aqui e foi ela que me pareceu meio paranóica. Deu até medo. Video aqui: http://worsethanhitler.wordpress.com/2009/01/15/coulter-invokes-hitler-on-the-view/

Cuidado com quem escreve em "academese", o fato de referenciar tudo o que diz não quer dizer que seja verdade ou que não se possa discordar. O pessoal que nega o holocausto tambem escreve artigos e livros cheios de referências, dados, pesquisas, graficos, etc...

Marcos Guerson Jr disse...

o que Coulter chama atenção é sobre a glorificação da figura da mãe solteira. Qualquer filme de Hollywood mostra a mãe solteira como uma pessoa forte, batalhadora, honesta e que invariavelmente atinge o sucesso no final. Já se transformou praticamente em um esteriótico. Atrizes ganham oscar e mais oscars por este mesmo papel. A realidade não é bem essa. Nem toda mãe solteira tem esta força toda que se quer vender. Andei vendo algumas estatísticas pela internet, parece que a porcentagem de mães solteiras nos Estados Unidos chegou a 30%, um número que parece-me absurdo.

Outro ponto, existe um incentivo para a tal produção independente. Cada vez mais mulheres não querem limitar seu horizonte profissional com um casamento e optam por ter filhos sem o casamento. Uma mulher que não quer casar para não se limitar não está mostrando um egoísmo? Este egoísmo não se refletirá na criação do próprio filho? O casamento certamente é uma escolha que nos limita profissionalmente, ambas as partes, e é uma das coisas que o faz belo: nossa vontade de abrir mão de algumas coisas em proveito de outra pessoa. Este sentimento está fortemente ligado a criação de filhos. Você tem que abrir mão de muitas coisas pelo prazer de criá-los.

Concordo com você sobre referências. Mas ter um autor que cita constantemente referências te permite verificá-las, não? Por exemplo, ao citar uma determinada frase de um político, ela tem o cuidado de mostrar quando foi dita e onde está publicada. Um bom caminho para não distorcer palavras dos outros.

Quanto a paranóica, estou acostumado. Conservadores sempre são retratados assim. Afinal, não há esta coisa de hegemonia cultural da esquerda não é? Inclusive o New York Times e CNN são veículos sérios e não tietes do Obama!

Marcos Guerson Jr disse...

Acabei de ver o vídeo que colocou o link. Deixa eu ver se eu entendi bem: você coloca 5 liberais raivosas contra uma pessoa, que não deixam que ela fale e ainda diz que ela te dá medo? O mais engraçado e ouvir uma delas dizer que não estão atacando, apenas sendo provocativas! Experimente ser provocativo assim contra um liberal, posso até ver manchetes no outro dia: "fulano é atacado por mídia direitista!".

Alexandra disse...

vc deveria estar feliz com as estatísticas sobre as mães solteiras - quer dizer que menos mulheres estão fazendo abortos ;)

Quanto a mulheres tendo filhos fora do casamento, será que a mulher é a única culpada nisso? Ou será que há mais homens que não querem se casar e cascam fora assim que a mulher engravida? A ambição profissional tende a limitar mais exatamente a decisão de ter ou não filhos e não necessariamente o casameno - por essas bandas não é o casamento que limita oportunidades profissionais pois não existe a idéia da mulher parar de trabalhar depois de casada. Ter filhos complica a coisa um pouco mais, principalmente nos EUA onde não há política de licensa maternidade.

Não vejo uma glorificação do papel da mãe solteira. Vejo uma glorificação do papel da maternidade em geral. Há muita pressão sobre as mulheres para serem esposas exemplares, profissionais bem sucedidades e mães perfeitas.

Marcos Guerson Jr disse...

O aborto não é solução para o problema da mãe solteira. Nem eu, muito menos Coulter, jamais defendeu coisa semelhante. O que ela defende, e eu concordo, é que as pessoas tenham filhos protegidos pelo casamento. Este filho terá uma melhor chance na vida desta forma. É isto que as estatísticas apontam.

Claro que a mulher não é a única culpada, mas ela deveria ser a mais preocupada com a gravidez já que ela arcará com a maior carga das consequências, não é verdade? Além do mais, não se fica grávida do mesmo jeito que se tem uma febre. Há uma boa parte de descuido envolvido tanto da mulher, no caso da pírula, como do homem, no caso do preservativo. Isso, no caso da gravidez por descuído.

Há também os casos da gravidez por opção, mulheres que querem ter o filho sozinhas. Estas são as mais influenciadas pela glorificação da mãe solteira (até a Louis Lane virou mãe solteira em superman!). O que Coulter defende é a valorização do casamento e a sua maior proteção jurídica.

Não se iluda. Filhos limitam as oportunidades profissionais sim, tanto do homem quanto da mulher. Eu não estava falando em parar de trabalhar, mas muito provavelmente você não poderá dedicar tanto tempo quanto dedicava ao trabalho, além de muitas vezes ter de recusar determinadas oportunidades.

Não é possível viver a mesma vida que antes depois de ter filhos. Quem tenta fazer isso causa um imenso prejuízo a eles próprios. Bons pais entendem isso e fazem este sacrifício com todo prazer, pois sabem que o presente que estão recebendo é muito maior do que o que estão abrindo mão.