terça-feira, setembro 01, 2009

Carlos Alberto Menezes Direito

O STF perdeu uma de suas vozes mais lúcidas. Das decisões que acompanhei nos últimos anos, Direito sempre foi uma voz ponderada e com os olhos voltados para sua missão e não para os holofotes como está se tornando freqüente na Corte. Teve que enfrentar sempre a desconfiança da Imprensa por admitir abertamente um grande pecado: ser católico. Vezes sem conta quiseram exigir dele uma declaração que não deixaria sua fé atrapalhar seu julgamento, coisa que nunca exigiram de nenhum outro juiz, como se o ateísmo não fosse também uma fé e não pudesse afetar a capacidade de julgamento de alguém.

Dificilmente será substituído por alguém à altura.

Que descanse em paz.

Nenhum comentário: