quarta-feira, outubro 07, 2009

Discurso de Metafísica - Leibniz

A noção mais aceita e mais significativa que possuímos de Deus exprime-se muito bem nestes termos: Deus é um ser absolutamente perfeito.

Assim começa Leibniz em Discurso de Metafísica. A compreensão do filósofo sobre a existência passa por esta idéia principal, a perfeição de Deus, o que implica que seus atos revestem-se da maior perfeição possível.

Leibniz caracterizou seu pensamento filosófico pela idéia da conciliação. Em uma época em que os debates tendiam ao radicalismo e as escolas preocupavam-se em provar o erro das que se opunham, o alemão dizia que havia um pouco de verdade em cada um delas, que o papel do filósofo era identificar e reunir estas verdades.

Ele deixa claro que não é possível alcançar a idéia de Deus inteiramente pela razão pois o homem estava limitado por suas imperfeições. Não se devia, entretanto, duvidar que o principal fim de Deus é a felicidade dos espíritos. Nada é feito fora da ordem, o que leva ao seu entendimento dos milagres:

Assim, aquilo que é tido como extraordinário, o é apenas relativamente a alguma ordem particular estabelecida entre as criaturas, pois quanto à ordem universal tudo está em conformidade com ela.

Uma das principais idéias de Leibniz em Discurso de Metafísica é sem dúvida a da substância individual. Tratando do sujeito e de seus predicados, partido dos conceitos de Aristóteles que uma substância individual seria formada por um sujeito que possui predicados que nenhum outro possui, ele argumento que esta idéia é insuficiente pois "a natureza de uma substância individual ou de um ser completo consiste em ter a noção tão perfeita que seja suficiente para compreender ou fazer deduzir de si todos os predicados do sujeito a que se atribui esta noção".

Para Leibniz, o predicado consistia também em todas as ações possíveis que poderia acontecer com o sujeito, todos os futuros contigentes. Assim, a substância individual, como a alma, já possui em si tudo que a caracteriza e que possa acontecer. O universo e Deus já se encontram na substância.

toda substância é como um mundo completo e como um espelho de Deus, ou melhor, de todo o universo, expresso por cada uma à sua maneira...

Esta questão para Leibniz analisar o confronto entre o determinismo e o livre arbítrio. Se Deus é perfeito e onipotente, se sabe o que acontecerá no futuro do homem, onde estaria sua liberdade de escolha? Com sua idéia de substância individual completa, Deus estaria na formulação de todas as possibilidades da existência, e o indivíduo teria a escolha entre estas possibilidades.

Leibniz apresenta uma crítica à física de Newton por esta considerar apenas a relação entre causa e efeito. Para ele, os fenômenos dependeriam também da propriedade de todos os corpos de ser influenciados por outros corpos. As causas eficientes seriam tão importantes para explicar os fenômenos quanto as causas finais. Ele trocava a idéia de conservação da quantidade de movimento pela conservação das forças, da interação das substâncias.

Por fim, Leibniz reafirma a teoria da reminiscência de Platão, em que todo conhecimento não passa de recordação de algo que o homem já sabe. No entanto, refuta a idéia de reencarnação do colega grego pois o as idéias já se encontravam na própria substância e não em uma contemplação em um mundo anterior ao nascimento.

Discurso de Metafísica é um livro curto mas com muitos pontos interessantes para reflexão. Leibniz centra seu entendimento da existência e da condição humana na perfeição divina e na idéia que fez um mundo o mais perfeito possível, com uma ordem, com uma razão que lhe é própria.

Um comentário:

Silvana disse...

O seu resumo do "Discurso de metafísica" foi muito útil para o meu trabalho de Filosofia. Obrigada :)