sábado, janeiro 09, 2010

Divini Redemptoris - Pio XI

A busca de uma redenção divina ilumina a humanidade em todos os tempos. O cristianismo é a chave para esta eterna busca ao apresentar o verdadeiro Salvador. No entanto, a humanidade é enganada constantemente por promessas falazes, sendo a mais perigosa delas o comunismo, a promessa de realização da felicidade absoluta no mundo material que vivemos, que pretende subverter os fundamentos da civilização cristã.


A Igreja sempre condenou o comunismo, desde Pio IX, passando por Leão XIII e chegando ao próprio Pio XI. No entanto, diante do avanço sistemático da ideologia, o papa sentiu necessidade em 1937 de redigir uma nova encíclica deixando bem claro a rejeição completa dos fundamentos comunistas pela Igreja de Cristo.


O comunismo apresenta-se sobre a máscara de redenção dos humildes, mas nada mais faz do que utilizar-se destes mesmos humildes para promover a luta de classes, sua doutrina é de um misticismo hipócrita e promessas falsas. Procura tornar cada vez mais agudos os antagonismos que surgem entre as classes promovendo o ódio buscando, para isso, remover as barreiras que se opõem a esta violência. O homem reduz-se a uma engrenagem, sem direitos naturais e a família perde sua razão de existir passando os filhos para a tutela da sociedade.


Onde o comunismo foi implantado ou teve qualquer força viu-se a perseguição sistemática aos cristãos como pôde ser visto na Rússia, no México e na Espanha, sob silêncio inquietante de boa parte da imprensa mundial. A violência não é fruto de excessos esporádicos, mas resultado natural da ausência de qualquer freio interno para a maldade humana, sendo muitas vezes os próprios comunistas vítimas do que ajudaram a construir.


A doutrina da Igreja opõem-se ao comunismo por defender a dignidade da pessoa humana, o matrimônio, a família, a sociedade como meio para o homem realizar-se, a suprema realidade de Deus. A sociedade civil existe para o homem e não ao contrário como buscam os comunistas.


O remédio para a luta contra o comunismo é a renovação da vida cristã, particularmente no desapego aos bens terrenos e o preceito da caridade. É através do afastamento do materialismo, da desordem moral, que o comunismo consegue penetrar como doença em uma sociedade. A doutrina social da Igreja é a chave contra o comunismo por revelar a verdadeira defesa dos pobres e explorados no mundo. Deve-se ficar claro que não existe nenhuma colaboração possível do catolicismo com o comunismo.


Cabe aos sacerdotes e auxiliares da Igreja a divulgação da incompatibilidade do comunismo com a mensagem cristã. O Estado deve zelar para que a Igreja tenha liberdade em sua missão, que possa pregar aos mais humildes a renovação moral e a dignidade da vida.


A atuação da Igreja Católica sempre foi um dos principais obstáculos da conquista dos corações incautos pela mentira comunista pois uma doutrina essencialmente materialistas não pode conviver com uma consolação espiritual.


Em 1937 ainda não estava bastante claro para a maior parte do mundo o resultado prático da implantação do comunismo na Rússia. Pio XI foi um dos homens que conseguiu enxergar com absoluta clareza a completa incompatibilidade do cristianismo com o socialismo. Uma doutrina materialista não poderia conviver com uma espiritual, daí talvez a escolha da palavra ateu junto com comunismo para o título da encíclica.


Vós, sem dúvida, veneráveis irmãos, já percebestes de que perigo ameaçador falamos: é do comunismo, denominado bolchevista e ateu, que se propõe como fim peculiar de revolucionar radicalmente a ordem social e subverter os próprios fundamentos da civilização cristã (Pag 10)




O papa percebeu que todo o discurso comunista foi construído em cima de verdades e mentiras misturadas, justamente a arma mais eficaz para difundir um grande engodo; as disfunções e aposta materialista do liberalismo econômico abriu caminho para uma praga ainda maior que aproveita-se do afastamento do homem de Deus para incutir em seus corações a promessa irrealizável da felicidade absoluta na mundo material.


Sistema cheio de erros e sofismas, igualmente opostos à revelação divina e à razão humana; sistema que, por destruir os fundamentos da sociedade, subverte a ordem social que não reconhece a verdadeira origem, natureza e fim do Estado; que rejeita enfim e nega direitos, a dignidade e a liberdade da pessoa humana. (pag 20)



A Igreja é um obstáculo a ser vencido pelos comunistas por apresentar o consolo verdadeiro aos sofredores do mundo, a crença em um outro mundo, onde a justiça prevalece, só que no reino dos céus. O cristianismo é um alívio indesejado para quem deseja aprofundar os antagonismos na sociedade para mudá-la para um fim utópico. Outro grande mérito do texto é deixar claro que a colaboração com o comunismo é completamente rejeitada, coisa que os católicos franceses se esqueceram ao aliar-se aos comunistas na resistência contra a ocupação alemã, um verdadeiro exemplo de aliar-ser com o demônio.


Procurai, veneráveis Irmãos, que os fiéis não se deixem enganar! O comunismo é intrinsecamente perverso e não se pode admitir em campo nenhum a colaboração com ele, por parte de quem quer que deseje salvar a civilidade cristã.(pag 53)



Se em 1937 o quadro parecia desalentador para Pio XI, hoje sentiria-se muitas vezes pior. Muito do que diagnosticou nesta encíclica: o silêncio da imprensa, a libertação da moral cristã, a penetração comunista na própria Igreja, o enfraquecimento da sociedade pela disfunção do liberalismo, o acirramento dos antagonismos internos da sociedade, enfim, tudo se realizou e em muito pior escala do que imaginara. A América do Sul está praticamente toda perdida para o socialismo, agora transfigurado ao entender que o planejamento centralizado era uma fraqueza de seu sistema, e o próprio EUA está finalmente captulando diante de décadas de ação cultural marxista.


Entretanto, nada é pior do que a desfiguração da Igreja católica com a penetração do virus socialista em suas entranhas. No Brasil a situação é cada vez pior com padres e bispos agindo abertamente para tonar compatíveis o comunismo e o cristianismo, justo o que mais temia por entender que não havia síntese possível em doutrinas tão radicalmente opostas.


Divini Redemptoris é o diagnóstico da maior ameaça à humanidade que surgiu nos últimos dois séculos e talvez em sua estória pois nem as mais cruéis e autoritárias civilizações da antiguidade ou bárbaras de qualquer natureza jamais sonharam e chegar ao ponto de poder absoluto que o horror soviético mostrou e que a sociedade de hoje deixa ainda mais evidente, embora escondida sob os mais diversos rótulos. Infelizmente a mensagem de Pio XI não foi entendida e posta em prática; principalmente por quem mais deveria ter prestado atenção, os católicos do mundo inteiro em particular e os religiosos em geral.

Nenhum comentário: