segunda-feira, fevereiro 28, 2011

Radicalismos


Uma das coisas que tenho observado nas discussões da internet, cartas de jornais, blogs e outras formas de manifestação de opiniões é que estamos cada vez mais radicalizando nossas opiniões. Se estamos caminhando para uma sociedade mais evoluída, tolerante e esclarecida, por que isso está acontecendo? Por que as tonalidades cinzas estão se perdendo e as coisas estão cada vez mais na dicotomia preto e branco?

Uso a primeira pessoa do plural porque eu também me incluo nesse tipo de comportamento. Outro dia mesmo uma pessoa muito querida me disse que minhas opiniões estavam muito radicais e depois de um momento de autodefesa automático, eu parei para pensar no que ela disse e cheguei a conclusão que ela tinha razão. Foi quando uma percepção se firmou como um raio no meu pensamento, não será exatamente isso que está faltando?

Falo da capacidade de parar e pensar no que a outra pessoa disse e nos desagradou. Colocar-se um pouco no lugar dela e refletir em seus argumentos, será que ela não tem razão? Será que não posso estar errado? E se estiver, qual o problema em reconhecer? Vou me diminuir por causa disso?

Pode ser exagero meu, mas acho que toda vez que uma pessoa se recusa a levar em consideração os argumentos do outro, de se colocar um pouco no lugar deste e refletir sobre o que lhe foi dito, no fundo demonstra a falta de respeito para seu interlocutor. Cada vez mais estamos mais preocupados em provar que estamos certos e não que podemos construir juntos um entendimento melhor do que está acontecendo. Estamos nos tornando cada dia mais dogmáticos e intolerantes.

Basta ver o que escrevemos e o que falamos. Quantas vezes usamos o ponto de interrogação ou a palavra mágica "acho" ? Olhe para seus textos e reflita, até que ponto você está aberto para outra opinião ou pelo menos para respeitar a opinião de quem está dialogando com você?

Talvez um dos fatores que têm contribuído para essa radicalização seja a internet e principalmente a criação das redes sociais. Através dela, as pessoas estão cada vez mais se conectando os que pensam de maneira semelhante e se juntando em grupos de opiniões fechadas. Há algum tempo atrás alguém comentou que 99% de seus amigos na internet tinham a mesma posição política que ele. Natural dizem uns, buscamos as pessoas que temos mais afinidade. O problema é que perdemos a capacidade de discutir seriamente os assuntos que dizem respeito a vida humana com pessoas que pensam diferente de nós e com isso ter percepções que muitas vezes estão escondidas de nós mesmos.

Digo isso porque o contato que tenho com a maioria dos meus amigos é pessoalmente. Praticamente nenhum deles eu conheci por minhas opiniões ou idéias; o destino nos colocou juntos e a partir daí construímos nossas amizades ou relacionamentos. Discordamos de muitas maneiras e nem por isso jamais nos deixamos de respeitar, mesmo que saiam algumas rusgas ocasionais. O principal é que nenhum de nós quer doutrinar o outro ou mudar sua opinião, apenas tentamos mostrar nossos modos de pensar e tentar entender os argumentos em contrário. Muitas vezes essas conversas me deram muito o que refletir e me fizeram pensar melhor sobre muitos pontos.

Agora esse tipo de amizade se torna impossível quando a pessoa não respeita seu direito de ter opiniões contrárias, jamais pensa sobre seus argumentos e prefere morrer do que admitir que você pode ter razão e ela errada; encara tudo sobre a óptica de uma disputa de opiniões em que precisa vencer a qualquer custo e provar sua superioridade intelectual. Nesse caso é melhor se afastar e evitar qualquer discussão. Aristóteles já ensinava que só se pode discutir quando a outra pessoa está empenhada em buscar, com você, respostas para questões que o mundo nos coloca.

Estou longe de ser uma pessoa perfeita e com certeza tenho muito que aprender nessa vida. Só que quando uma pessoa me diz que estou sendo radical eu sempre estaco como se levasse uma bofetada e penso a respeito. Será que ela tem razão? Invariavelmente tem e fico um bom tempo me recriminando e prometendo a mim mesmo não repetir meu comportamento.

Pelo menos eu identifico minha doença e tento sinceramente me curar dela. Já é muita coisa, pois o radical dificilmente pensa que é radical. Na maioria das vezes se acha uma pessoa iluminada, capaz de ver o que o outro é incapaz de ver. Pior, se acha uma melhor pessoa justamente pelas opiniões que tem. Se suas opiniões fazem bem para seu ego, tome muito cuidado. É grande a chance de ser um radical de carteirinha.

Enfim, o radicalismo está a vista de todos. Está em cada votação no congresso, em cada opinião política, em cada debate, em cada eleição. O que virá disso? Imagino que uma humanidade menos solidária e desconfiada, o que para mim é o justo oposto de progresso.

2 comentários:

Nick Pink disse...

Interessante esse texto... Acho que radicalismo muitas vezes é sinônimo de imaturidade. E as pessoas estão cada vez mais bobas, sem querer generalizar. Eu tenho pavor de gente que não sabe discutir. Você tenta argumentar, e o outro não te ouve, tem coisa mais agonizante? Eu já fui bastante radical, hoje em dia acho que nem tanto. Pelo menos sempre tento ouvir o lado do outro, pode ser enriquecedor, ou evitar uma injustiça ou um mal entendido.

Abraços!

http://vivereler.blogspot.com/

Clã Celestial Blog disse...

Creio que é natural do ser humano, apesar evoluirmos socialmente e em outros aspectos, a maquina pensante, o cérebro, permanece a mesma.