terça-feira, fevereiro 15, 2011

Top 5 2010: Livros de ficção

5. O Homem que foi Quinta Feira - G. K. Chesterton

Uma crítica política? Uma fábula moderna? Um tratado teológico? Um romance policial? Uma grande aventura? Uma reflexão sobre o homem? Uma grande charada? Talvez tudo isso ao mesmo tempo. Ainda estou tentando desvendar todos os mistérios que Chesterton deixou nas páginas deste curioso livro e provavelmente ainda levarei alguns anos para chegar lá.

4. O Enforcado - Georges Simenon

2010 foi o ano que comecei a entender Simenon. O que me parecia um Agatha Christie menos talentoso transformou-se em um escritor original e com uma imensa capacidade de tratar de temas da existência humana no meio de investigações policiais. Dentre os diversos que li este ano, O Enforcado foi o que mais me impressionou. O assunto do livro é a culpa e as várias maneiras de lidar com ela. Coisa de gênio.

3. As Horas de Katharina - Bruno Tolentino

Sem palavras para Bruno Tolentino. Os poemas que Katharina, uma jovem que se transforma em freira para fugir do seu passado é um primor. A peça, que joga luz sobre o que se escondia por baixo dos versos é de ficar de queixo caído, é tudo que Ibsen poderia ter sido. Uma reflexão moral como só uma alma grandiosa conseguiria fazer.

2. Don Quijote - Miguel Cervantes

Depois de um ano de leitura (ler em espanhol ainda me é meio penoso) cheguei ao fim da obra-prima de Cervantes e talvez da literatura ocidental. Mais do que a estória de um velho maluco que entra em diversas aventuras e seu inesquecível escudeiro, uma reflexão primorosa sobre a condição humana e todo o mal que a época moderna traria ao homem. Cervantes percebeu que uma vida sem valores morais sólidos e transcedentes só poderia levar ao inferno na Terra. E levou.

1. Um Conto de Duas Cidades - Charles Dickens

Direto para meu top de todos os tempos. Um dos melhores livros que já li em minha vida, de ficar de boca aberta em toda última parte. Não há como ver a Revolução Francesa do jeito que nos conta os livros de história da escola ou da visão que predomina no imaginário popular. Uma estória de redenção e sacrifício, da afirmação do valor do indivíduo e da importância de cada alma humana.

Mensão Honrosa: Neste ano que passou dei prioridade à literatura pois percebi que é nossa maior fonte de cultura. Ela tem o alcance que nenhum livro de filosofia, história, política e etc jamais terá pois consegue dialogar com todas as áreas do saber humano e reflete as grandes correntes de pensamento da época de cada obra. Acabaram ficando de fora grandes livros como:
- O Avesso da Vida - Philip Roth
- A Inocência de Padre Brown - Chesterton
- O Triste Fim de Policarpo Quaresma - Lima Barreto
- O Feijão e o Sonho - Orígenes Lessa
- Conto de Inverno - Shakespeare


- Posted using BlogPress from my iPad

Nenhum comentário: